31 de janeiro de 2010

Esse Desemprego!

.




Meus senhores, é mesmo um problema
Esse desemprego!
Com satisfação acolhemos
toda a oportunidade
de discutir a questão.
Quando queiram os senhores! A todo momento!
Pois o desemprego é para o povo
um enfraquecimento.
Para nós é inexplicável
tanto desemprego.
Algo realmente lamentável
que só traz desassossego.
Mas não se deve na verdade,
dizer que é inexplicável
pois pode ser fatal
Dificilmente nos pode trazer
A confiança das massas
para nós é imprescindível.
É preciso que nos deixem valer
pois seria mais que temível
permitir ao caos vencer
Num tempo tão pouco esclarecido!
Algo assim não se pode conceber
Com esse desemprego!
Ou qual a sua opinião?
só nos pode convir
Esta opinião: o problema
assim como veio, deve sumir.
Mas a questão é: o nosso desemprego
não será solucionado
enquanto os senhores não
ficarem desempregados!
Bertolt Brecht

.
.

17 comentários:

JPD disse...

Tema actualíssimo.

O drama dos cerca de 10% de pessoas que desejam trabalhar e dificilmente encontrarão trabalho é assustador.
Tanto para os jovens como para aqueles que com idade perto dos 50 estão forçados a penar.

Os politicos têm de fazer alguma coisa, têm de tomar medidasd para reverter esta situação.
Saudações.

Saudações

Mar Arável disse...

Obviamente

Bj

Sofá Amarelo disse...

Se eu pudesse ressuscitava Brecht e convidava-o a sentar no meu sofá amarelo para debatermos esse tal de desemprego... gosto de gente que vive à frente do seu tempo.

Meg disse...

Caro JPD,

Este é um dos dramas dos nossos dias.
E não é apenas o desemprego, é o fatal afastamento do mundo do trabalho de uma grande parte dos actuais desempregados, para quem a esperança de voltar a trabalhar, simplesmente... morreu.
Os políticos... que podemos esperar dos políticos?

Um abraço e uma boa semana

Um abraço

Meg disse...

Mar Arável,

Claro, desgraçadamente!

Um abraço

Meg disse...

Sofá Amarelo,

Depois de tantos anos, é triste que em pleno séc.XXI estejamos a lidar com uma realidade tão trágica.
E Brecht sabia bem do que falava.

Beijo e boa semana!

Nydia Bonetti disse...

Tempos - cada vez mais - difíceis, Meg. Além da falta de vontade polítca, as "máquinas" competindo conosco - coisa que Brecht nem sonhava. É mesmo assustador.

beijo.

São disse...

Estava a ver que não conseguia entrar.


Brecht era, de facto, excelente.

Boa opção, colocares este escrito dele.

Que a tua semana seja feliz

JO disse...

Brecht e muitos outros são intemporais. Bjs

CS disse...

É o tal exército de reserva... Marx sempre actual.

Meg disse...

Nydia,

Como eu dizia atrás, o maior drama é a quase certeza de, para uma grande parte, não restar a mínima esperança de voltar ao mercado de trabalho.

Beijinho

Meg disse...

São,

Outra vez???
Já "limpei" o blog, São...
Desconfio que este pc está a precisar de "estaleiro".

O desemprego, minha amiga, é a maior praga do nosso tempo.
Como ignorá-lo!

Beijo para ti

Meg disse...

Jo,

Jã não sei se são intemporais ou se estamos a regredir no tempo.

Beijo para ti

Meg disse...

Meu caro Cid,

Que prazer me dá a tua visita!

Exército de reserva... é isso mesmo. Mas um exército desarmado!
Completamente desarmado.

Um grande abraço

Maria disse...

Brecht e Marx (ou Marx e Brecht) sempre e tão actuais...
Quanto maior for o número de desempregados melhor para o capital, certo?
Porque é que este povinho não entende?
Bolas!

Beijo, Meg
(estou com net portátil, às vezes de difícil funcionamento. desculpa, irei tentanto)

Maria João disse...

Só passando pelas situações se é capaz de lhes dar o verdadeiro valor...
Que sabem os senhores de contas recheadas, sobre o que é viver no desesperado desemprego?

Actual e lamentávelmente tão verdadeiro..

Beijinho

mdsol disse...

Muito actual

:))