15 de janeiro de 2010

Afinal em que ficamos???

.
Acabei de receber este vídeo por email , e fiquei deveras impressionada com o conteúdo.
Ainda que já tenha lido algumas teses sobre o assunto, principalmente depois da farsa  em Copenhague, dou comigo a pensar  que não é possível estarmos TODOS a ser levados nesta febre do aquecimento global...
Ou estamos?
.
AFINAL EM QUE FICAMOS?????
 .

.

Alguém, num comentário no post anterior, e a propósito da tremenda tragédia no Haiti, recuperava a questão das experiências nucleares  na Polinésia... 
Que relação pode haver entre estes "factos" e a intensidade cada vez maior destes, cada vez mais frequentes fenómenos (?) recentes?
Desculpem a minha ignorância, mas...

SÓ TENHO PERGUNTAS...
 ALGUÉM TEM RESPOSTAS?
.

42 comentários:

Maria disse...

Agora é que me 'deste na cabeça'...
Caramba! Só perguntas, dizes bem.

Beijinho, Meg

José Augusto Nozes Pires disse...

Já conhecia estas outras opiniões. Fizeste bem colocá-las aqui, já que as opiniões contrárias a estas já são por demais conhecidas. Agora é só pensar...e decidir.

Janaina Amado disse...

Meg, também só tenho perguntas - nenhuma resposta, como o poeta Bertold Brecht.
O tema é difícil, exige um bocado de conhecimento técnico, que não tenho, e isso me deixa confusa. E se trata simplesmente do futuro de todos nós!

Nydia Bonetti disse...

Parece ser um tempo em que já não temos mais certezas, Meg. Só questionamentos e dúvidas...

Abraços

Meg disse...

Maria,

Num mundo em que já tudo é possível, como não havemos de ter dúvidas, Maria?

Beijinho para ti, Maria!

Meg disse...

Zé,

Mas é difícil chegar a uma conclusão... e este vídeo - mais uma série deles sobre o assunto - dão que pensar e... temer.

Um abraço

Meg disse...

Janaína,

Mas mesmo para leigos como nós, as questões levantadas neste vídeo têm alguma coerência... a possibilidade de se poder tratar de uma questão meramente política, é tão grave como o sismo na Haiti...
Não sei o que é melhor.

Beijo para ti, Escritora!

Meg disse...

Bydia,

E não temos mesmo.
Vendo este vídeo, fiquei bem preocupada com a possibilidade de "se" estar a não possibilitar, ou mesmo a impedir o desenvolvimento dos países mais pobres.
Assustador, não é, Nydia?

Beijo

Zé Povinho disse...

As alterações que inflingimos ao planeta, benéficas é que não são com toda a certeza, e a terra é a nossa casa. Se os fenómenos em causa são cíclicos ou resultado da má gestão do ambiente, isso é tal questão: se quisermos ter a certeza temos que esperar até que isso seja absolutamente irrefutável, e talvez então seja muito tarde.
Falando do Haiti, só para dar um exemplo, as consequências das catástrofes naturais são mais graves TAMBÉM por causa da erosão dos solos devida ao abate de árvores.
Abraço do Zé

Meg disse...

Zé,

Tens razão... e no Haiti houve também uma outra grande devastação.
Tanta árvore abatida!
Como vamos saber? Tudo são probabilidades.
E a natureza tem as suas leis e uma força poderosa.
Mas que sempre me fizeram impressão aquelas esperiências nucleares...

Um abraço

Maria João disse...

Estou como tu...

Em que é que ficamos???

De qualquer forma,temos tratado muito mal a natureza!!

Um beijinho

Bipede Implume disse...

Querida Meg
São demasiadas questões para tão pouca informação.
O que aconteceu no Haiti é demasiado doloroso.
Vou informar-me melhor pois também me chamaram a atenção para essas situações.
Olha amiga, mesmo com todo este drama te desejo um sereno fim de semana.
Beijinhos.
Isabel

Mariazita disse...

Olá, Meg
Penso que, como tu, a maioria de nós tem apenas perguntas, e muitas dúvidas, também.
Recebi por email a indicação de vários, talvez uns dez ou mais vídeos, versando todos este mesmo tema - a farsa do aquecimento global.
Há muito tempo que sou descrente destes acordos, cimeiras e quejandos, tipo Copenhague, precisamente porque os resulatdos são sempre nulos, e concluímos que só servem para deitar milhares de euros, se não milhões, à rua.

Enquanto não se alterarem as mentalidades que orientam os destinos do mundo...estaremos sujeitos a episódios destes.

Bom fim de semana.

BeijOOOs
Mariazita

Renata de Aragão Lopes disse...

Também tenho
muitas dúvidas
a respeito...

Parece que vivemos
de "meias verdades"
- título do soneto
que publiquei ontem
em minha confeitaria.

Um abraço,
doce de lira

Meg disse...

Maria João,

O mal que se faz à natureza, associado aos riscos de prováveis fenómenos, como neste caso, são terríveis.
Convido-te a ler o que aqui é dito sobre o Haiti... foi escrito em 8 de Dezembro de 2009.

http://www.gmnoticias.co.mz/index.php/component/content/article/44-features/312-haiti-procura-recuperar-florestas?format=pdf

Beijinho e bom fim de semana

Meg disse...

Mariazita,

Sei que esses vídeos estão a circular na net, e é bom que as pessoas se detenham neles para pensar.
A ser verdade a tese apresentada, mais uma vez se verifica a que ponto "a porca da política" pode chegar.
E acentuam-se as dúvidas sobre a bondade desta "farsa".

Bom fim de semana.

Beijinho

Meg disse...

Isabel,

Convido-te também a ires aqui:

http://www.gmnoticias.co.mz/index.php/component/content/article/44-features/312-haiti-procura-recuperar-florestas?format=pdf

E verás como a falta de um governo competente pode ajudar a muitas tragédias.

Um bom fim de semana.

Beijinho para ti

Meg disse...

Renata,

Sê muito bem vinda a este espaço.
Espero que, apesar do assunto não ser dos mais agradáveis, te sintas bem por cá.
Já "passei" correndo pela tua confeitaria, e gostei, por isso lá voltarei para saborear o tal doce.

Espero voltar a ver-te por cá... vou linkar-te.

Beijo

O Puma disse...

Ser inteligente é questionar

Não faltará quem esteja

sempre disponível

para engolir sapos

Bjs

Ana Tapadas disse...

Meg:
Gostava de poder responder, mas também sou das que fazem perguntas!

São disse...

Minha querida, penso que devemos ter comportamentos adequados quanto ao ambiente, claro.

No entanto, há provas físicas tanto na Europa como na América de que a Terra já passou por um intenso período de aquecimento,sem que a Humnidade tivesse na altura sequer hipótese de ter contribuído para o acontecimento.

Bom domingo.

Luisa disse...

Meg, tal como os outros teus amigos também "nado" em dúvidas sobre as causas do aquecimento/arrefecimento global. Estamos a aquecer ou a arrefecer? Será esta mais uma fase das muitas que o nosso planeta tem sofrido desde há milhões de anos em que não havia fábricas a vomitar CO2??
Ou isto é apenas uma guerra entre produtores de fósseis e produtores de energias renováveis? Os nossos netos ou bisnetos talvez venham a saber qualquer coisa.

O Guardião disse...

As dúvidas são legítimas, este facto já SE VERIFICOU HÁ MUITOS SÉCULOS, MILÉNIOS MESMO, E SEM A CONTRIBUIÇÃO DO SER HUMANO.
nÃO ME PASSA PELA CABEÇA DEIXAR DE RESPEITAR O AMBIENTE SÓ POR TER DÚVIDAS E POR EXISTIREM ÓBVIOS INTERESSES ECONÓMICOS ENVOLVIDOS NESTA PROBLEMÁTICA.
cUMPS

José Augusto Nozes Pires disse...

Estou plenamente convencido que quem mente são os que lançaram este vídeo de mistificação. Muito provavelmente alguns destes cientistas e pseudo-cientistas estão ligados aos poderosos negócios do petróleo. Uma vasta comunidade científica garante o contrário do que eles querem fazer crer aos incautos. Tal como diz o prof. Filipe Duarte Santos «Penso que aquilo que pode conduzir a um acordo (entre as nações)é a interpretação científica das alterações climáticas. Estão a ocorrer transformações no clima, com efeitos sobre todos os sistemas, em várias partes do mundo. Interpretar de uma maneira correcta, serena e fria, estas observações e correlacioná-las é muito importante para as pessoas se convencerem da realidade.» (JL,2-15 Dezembro 2009. É impossível não admitir que as enormes emissões de CO2 não tivessem trazido consequências muito graves. A poluição atmosférica é, por outro lado, perfeitamente demonstrável. O papel «amortecedor» das florestas diminui todos os dias com a devastação delas. A temperatura global e nos oceanos sobe perigosamente com incontroláveis consequências sobre as correntes marítimas, os degelos e os ventos.É necessário um novo acordo de «Quioto», com novas opções energéticas e ambientais, e contrapartidas auxiliares para os países em desenvolvimento (a média das emissões per capita dos países desenvolvidos é cerca de quatro vezes superior(75%)à média das emissões per capita dos países em dsenvolvimento).

Meg disse...

Puma,

E as dúvidas são cada vez maiores.
Em quem devemos acreditar?

Um abraço

Meg disse...

Ana.

Ouvimos e lemos os argumentos de todas as partes e façamos a única coisa que nos cabe... tentar manter uma atitude ambientalista sem cair em fundamentalismos.
Essa é a minha posição, AnaQ

Um beijo para ti

Meg disse...

São,

Pois porque SEI que são cíclicos estes estados do planeta, é que não entendo certos fundamentalismos.
Que temos e devemos ter cuidado com o ambiente, isso a mim parece-me óbvio. E vem com a educação cívica também, que tantas vezes falta.
Ou será que só acordámos agora?

Beijinho para ti

Meg disse...

Luisa,

Será esta mais uma fase das muitas que o nosso planeta tem sofrido desde há milhões de anos em que não havia fábricas a vomitar CO2??

Claro que é, mas não só, já que, principalmente as grandes potências só agora estão a acordar para os perigos do CO2.

E porquê o negócio das emissões?
Mais dúvidas.

Beijinho para ti

Meg disse...

Guardião,

Então estamos de acordo.
Por esta pequena amostra, muitos sabem que o nosso planeta já passou por estes fenómenos, segundo sei, o último terá sido há 19.000 anos.
O que, como dizes, não quer dizer que deixemos de nos preocupar com o ambiente.

Um abraço

Meg disse...

Zé,

Gostei muito do teu comentário que vem de encontro às minhas dúvidas.
Se sabemos como já houve grandes alterações no universo - falas nos mares e eu lembro-te que basta olhar para as nossas falésias e verificamos como o mar já andou cá por cima - a verdade é que as emissões de CO2 não podem ser inocentes em relação a muito do que estamos a sofrer em termos ambientais e não só.
Que há interesses políticos, e não só de um dos lados, acho que nenhum de nós é inocente a ponto de acreditar nisso, mas custa-me a aceitar um certo fundamentalismo que só serve para tirar alguma credibilidade a algumas políticas de ambiente.
Irei ler o artigo que mencionas.

Um abraço

JPD disse...

Não arrisco pinião sobre a experiências de explosões e as deslocações das placas, os tremores de terra.

Sobre Copenhaga: alguém imagina possível reunir com tanta gente e encontrar um consenso, sobretudo quando todos estiveram a fingir que ansiavam por um acordo?

Saudações

Vieira Calado disse...

É uma trapalhice que eu tenho vindo a denunciar há muito tempo, como denunciei a questão do ozone (já ninguém fala nisso), a questão do triângulo das Bermudas (já não há barcos afundados ou desaparecidos), a questão dos discos voadores (nunca mais apareceram, a gripe das aves e, agora, a dos porcos!

Beijinho

bettips disse...

Em caso de dúvida - não vi o vídeo, tenho lido várias coisas - proceder
q.b.
"respeitando a terra e os seus ciclos"
"amando as pessoas e as suas diferenças"
"promovendo o progresso e a cultura"

(isto saiu-me assim, não é nenhum breviário ...)
Bjinhos

Meg disse...

Caro JPD,

As minhas perguntas são uma espécie de provocação.
Sou tão ou mais ignorante que qualquer um de vós, por isso aqui vo-las deixo.
Quisera eu saber mais!

Um abraço

Meg disse...

Amigo Vieira Calado,

Vês como são cada vez mais as perguntas!

Um abraço

Meg disse...

Querida Bettips,

O que está no vídeo já nós vimos, nos últimos dias, até à exaustão.
"respeitando a terra e os seus ciclos"
"amando as pessoas e as suas diferenças"
"promovendo o progresso e a cultura
"

Como eu te entendo, minha amiga!

Beijinho para ti

vbm disse...

Por acaso, confesso, toda esta mobilização para "salvar" o planeta deixa-me céptico e até um pouco revoltado com tanta "infantilidade". É que dá impressão que o planeta é assim uma coisa que possamos tratar como se do mobiliário da nossa casa se tratasse... Ora, não é! Precisamente, não é. Nós é que fazemos parte do mobiliário e não senhores dele. Não sei, Meg, mas fico assim meio parvo com tanta mistificação de que vamos evitar isto e aquilo e aqueloutro, se... "nos portarmos bem"! mas eu sou algum menino da escola para ser tratado assim!? Olha, tenho saudades da guerra fria! Ao menos, na altura, falava-se dos países, dos continentes, das disputas de soberania. Agora? Só da 'miséria da coxinha', a menina do 'pai biológico', a 'vacina do menino', o desgraçadinho que foi alvejado na barraca, a sobredose de não sei o quê, enfim, uma estupidez sem nome, um ultraje à inteligência das pessoas, uma infantilização de tudo e todos. E até os blogs estão deixando de nos surpreender...

Abraço, Meg
Vasco

Meg disse...

Vasco,

Que bom ver-te por cá!

Pois eu estou exactamente como tu, quando digo...dou comigo a pensar que não é possível estarmos TODOS a ser levados nesta febre do aquecimento global...
Ou estamos
?

É que além de estarema a passar-nos um atestado de menoridade na nossa vida diária, andei a ler uns "cépticos" que me convenceram.
Ou antes, me fizeram pensar melhor no assunto.
Que há comportamentos que devemos ter, é uma questão de civismo... agora este fundamentalismo
exarcebado, deixa-me muitas dúvidas.

Que há interesses por trás de todas estas "religiões", isso é mais que certo.
Que façam de nós parvos, isso não aceito.
Por isso, estou contigo.

Um abraço

vbm disse...

É mesmo, Meg
falam disto

como se fosse uma religião!


Ora, não é. É ciência, investigação aturada de ciência para tentar conhecer como as coisas são, como as coisas se passam.

Para lá do civismo, requer-se
a perspicácia, o trabalho e o saber.

Ando muito decepcionado com o panteísmo, o panpsiquismo com que nos querem ferir a inteligência. Como se tudo fosse divino! como se nos faltasse um só pequeno passo para chegarmos a anjos! (lol)

Por exemplo, não fui ver, ouvi dizer, o filme "Avatar": - parece que a Igreja o repudia por estimular o paganismo, o culto de uma relação mágica com a natureza. Ora, creio neste ponto que a Igreja tem razão, como a tinham os judeus: é uma estupidez adorar, feitos parvos, o puro poder natural, a multiplicidade dos "deuses" emergentes do curso natural da existência: aí, gosto da igreja e do judaísmo: não há deuses nenhuns que tenhamos de adorar, reverenciar: nada são, não valem um só de nós; se quisermos reverenciar algo, que seja então não isto, aquilo ou aqueloutro, mas o esforço incessante de entender o universo e as regularidades que nele operam. Tudo mais é treta, vigarice, desejo sem empenho.

Beijos,
:)

Anónimo disse...

Méon, disse...

Já agora...
Passei por aqui e entrei.
O vídeo que aqui se mostra é muito fraco. Limita-se a dizer "não" ao aquecimento global e nada demonstra em contrário.
Há milhares de estudos feitos sobre o aquecimento global. A poluição, a desflorestação e as alterações nas correntes marítimas daí resultantes estão a ter consequências devastadoras documentadas todos os dias.
Dizer que o problema é como o "triângulo das Bermudas" ou os "discos voadores" - como aqui li, é uma patetice. Mas o vídeo não tem mais credibilidade...
De qualquer modo, o espírito crítico é sempre mais produtivo do que a aceitação apática...
Bom resto de Domingo!

Meg disse...

Caro Vasco,

Muito obrigada pelo teu comentário, pela tua opinião sempre bem vinda, seja ela qual fôr. Sinto-me muito honrada por este blog ser visitado e comentado por pessoas como tu e como todos aqueles que por aqui passam há anos, nestes quase três anos.
Gostando umas vezes, discordando outras, todos o têm feito com urbanidade, boa-fé e, salvo um único caso até hoje, sem jactância e sem faltar ao respeito a quem me visita.
Um grande abraço para ti.

Meg disse...

Senhor Méon,

Aqui não "se" mostra um vídeo... aqui "eu", Meg, mostro um vídeo.
Quanto ao seu comentário, a sua opinião é tão aceitável como outra qualquer aqui expressa.
Inaceitável é a forma como se atreve a qualificar de pateta a opinião de uma pessoa que me visita, que o senhor não conhece e que seguramente tem muito mais informação a respeito do que o senhor, que é um simples professor.

Por isso, sendo a segunda pessoa em três anos que aqui entrou de má-fé para deixar um comentário de uma insolência bacoca e jactância provinciana, peço-lhe que não o repita, qualquer comentário nesse tom será imediatamente apagado.

Passe bem

Meg