29 de abril de 2008

Último Capítulo

Em resposta a um texto em que eu, a autora deste blogue sou visada, ´numa espécie de pretenso blogue de origem duvidosa, respondi e a resposta foi eliminada . O mesmo destino mereceu de 2 blogues que talvez devido à crise, funcionam actualmente como circos recorrendo artistas que, quanto a mim, "apenas" desempenham um papel específico. Posso estar enganada, mas, esta manhã, ao tomar conhecimento do "espectáculo desta noite" e como aqui não se faz publicidade, apenas pretendo dar-vos conhecimento destes factos.
FACTOS
Anónimo disse...((MEG)) mas isto é uma fraude... comentam-se um ao outro,
quer dizer o sineiro é a lagartixa e o calimero, ETC... pouca vergonha e não vale a pena apagar porque já todas
as pessoas normais o sabem, só ele ainda percebeu, irra! 3/5/08 04:29
********** lagartinha disse... SINEIRO Vou abrir uma excepção e informar o anónimo do seguinte:além de burro, é estúpido e já tem o IP assinalado.Muito obrigada por ser tão burro e testar o meu software novo. 3/5/08 04:55
MINHA RESPOSTA (MEG)
SINEIRO Ainda bem, que confirmas que fazes espionagem, além de outras actividades ilícitas na net. E depois apregoas liberdade, que não deve haver censura. Caiste na esparrela. Eu posso mostrar a minha cara e o meu perfil a toda a gente, Por que te escondes???? Era por isso que me dizias tantas vezes que tens mau nome na praça? E que estás sempre a mudar a fotografia do perfil. REVELADOR!!! não percebia. Agora tenho tudo muito claro. Comunico-te que depois do que me fizeste, ganhei muito tempo a pesquisar as tuas actividades em relação aos blogues. e AGORA não estou nada admirada com o que encontrei. Depois da quantidade de falsos blogues que inventaste para te comentares a ti próprio, alguns ainda estão às espera de vez. Agora é a vez da Lagartixa e afins. E não tens pejo de colocar pessoas sérias a comentar as tuas fraudes!!! Sei dos blogues pseudo intelectuais e poliglotas prestes a arrancar, não é? Cinzentinhos, muito discretos. Como pelo meu IP viste que andei a ver, no dia seguinte já lá não estava nada que identificasse o autor... JPG Mas há mais... muito mais. Tomei as minhas providências, porque tu és dos que subestimam a inteligência feminina, sob essa capa e esse verniz de má qualidade que já caiu de todo. SINEIRO FAZ UM BLOGUE DE FANTOCHES, NÃO UTILIZES PESSOAS INTELIGENTES PARA TE DIVERTIRES. Sineiro, eu estou doente, com a mesma doença de que sofreste 3 anos, dito por ti, por isso sabes mas insinuas que estou mal da cabeça. Sinal de falta de carácter. Há testemunhos gravados dos teus métodos para conseguires as passwords e depois deixares as pessoas pendentes de ti. Eu demorei um ano a descobrir a ratoeira do Oscarino, sim, porque quem me destruiu o blogue que eu fiz sozinha aqui em casa, foste precisamente tu, a propósito dum oscarino e substituiste-o (para outra plataforma(?) e nunca mais fui senhora do meu blogue. Não vou entrar em mais detalhes, mas entre as muitas ameaças de me destruires lembro-me de há menos de 1 mês me dizeres que não te provocasse, que não faço IDEIA do quanto podes fazer mal a quem te enfrente. aqui estou. não tenhas o trabalho de apagar porque tenho tudo gravado e aparecerá publicado onde não tenhas acesso. quantos aos IPs, se a mim não me faz diferença nenhuma, embora seja crime, toda a gente pode entrar onde eu entro. .. Mas vai haver muita gente que não vai gostar que lhes sigas os passos, como se fosses um detective privado. por último, um conselho... eu no teu lugar tirava a tua fotografia do rosto do blogue da tua escola. porque tenho pena dos teus alunos. SÃO PESSOAS QUE SE COMPORTAM COMO TU QUE ENVERGONHAM UMA CLASSE. ÚLTIMO ESCLARECIMENTO aos amigos COMO NÃO SOU COMO O SINEIRO, AS PESSOAS QUE ME COMENTAM SÃO LIVRES DE COMENTAREM ONDE ENTENDEREM. NA TENTATIVA DE UMA EXPLICAÇÃO PARA O QUE SUCEDEU COM O MEU BLOGUE, ENVIEI O MESMO MAIL,JÁ PUBLICADO, PARA 4 ENDEREÇOS DE ONDE FORAM DEVOLVIDOS COM A INDICAÇÃO DE QUE FIZESSE O PEDIDO DE NOVO ENDEREÇO NUM COMENTÁRIO, O QUE FIZ, E QUE FORAM ELIMINADOS NO MESMO MOMENTO - NO SINO E NO BIGODES. EU DISSE-TE UM DIA QUE QUEM TE FAZIA MAL ERAS TU PRÓPRIO, E QUE ERAS TU PRÓPRIO QUE AFASTAVAS AS PESSOAS... MAS TU CISMASTE QUE EU TE ROUBEI TODO0S OS TEUS "FREGUESES" - É ASSIM QUE TRATAS QUEM TEM A GENTILEZA E PACIÊNCIA DE TE VISITAR. NINGUÉM LAMENTA MAIS DO QUE EU O PAPEL QUE DESEMPENHEI NESTA TUA PEÇA TÃO RASCA! ÉRAMOS IRMÃOS EHEHEH!!!! - COMENTASTE A CHORAR NO MEU POST DO DIA 14 DE MARÇO, O POEMA É A COISA MAIS BONITA DA BLOGOSFERA. AH... ERA FIM DE SEMANA!. QUE PAPELÃO!!!! DE AGORA EM DIANTE NINGUÉM VAI TER CONTIGO ENGANADO! E AGORA ACABEI MESMO. PONTO FINAL AVISO-TE QUE TOMEI PROVIDÊNCIAS EM RELAÇÃO A ESTE ASSUNTO MORRESTE E NÃO DEIXASTE SAUDADE. DESAPARECESTE SIMPLESMENTE!
AVISO OS MEUS AMIGOS QUE, ALÉM DA MODERAÇÃO DE COMENTÁRIOS, OS COMENTÁRIOS SERÃO PRIVADOS, NÃO SERÃO PUBLICADOS, SÓ A MIM DIRÃO RESPEITO. mrgrd.gms@gmail.com

28 de abril de 2008

FIM DE A RECALCITRANTE










"































*********************.

..


OS LINKS DO ROUBO E DESTRUIÇÃO DE A RECALCITRANTE,

.


.

.

.



Esta é a versão em cache de http://arecalcitrante.blogspot.com/2007/08/ao-jorge-guedes-amigomano.html no G o o g l e obtida em 18 abr. 2008 01:30:48 GMT.O cache do G o o g l e é o instantâneo que tiramos da página quando pesquisamos na Web.A página pode ter mudado desde a última vez. Clique aqui para ver a página atual sem destaques.Esta página armazenada pode estar fazendo referência a imagens que não mais estão disponíveis. Clique aqui para ver o texto em cache somente.Para criar um link para esta página ou armazenar referência a ela, use: http://www.google.com/search?q=cache:VZlQWKpDrusJ:arecalcitrante.blogspot.com/2007/08/ao-jorge-

.

.

27.04 ,08, às 22.40

.

.



Esta é a versão em cache de http://arecalcitrante.blogspot.com/2007/08/ao-jorge-guedes-amigomano.html no G o o g l e obtida em 18 abr. 2008 01:30:48 GMT.O cache do G o o g l e é o instantâneo que tiramos da página quando pesquisamos na Web.A página pode ter mudado desde a última vez. Clique aqui para ver a página atual sem destaques.Esta página armazenada pode estar fazendo referência a imagens que não mais estão disponíveis. Clique aqui para ver o texto em cache somente.Para criar um link para esta página ou armazenar referência a ela, use:

.


.
O Google não é associado aos autores desta página nem é responsável por seu conteúdo.Os seguintes termos de pesquisa foram destacados: jorge guedes


.

PEÇO A VOSSA MELHOR E MAIS CUIDADOSA ATENÇÃO



PARA O COMENTÁRIO Nº 4



É UM AVISO PARA TODOS OS BLOGUISTAS

(meg)

















27 de abril de 2008

A Bela Acordada



«Eu levo a minha poesia muito a sério.
Para mim é uma questão de vida ou de morte.»





A Bela Acordada


"Era uma vez uma mulher que tão depressa era feia como bonita,
as pessoas diziam-lhe:-
Eu amo-te.
E iam com ela para a cama e para a mesa.
Quando era feia, as mesmas pessoas diziam-lhe:
- Não gosto de ti.
E atiravam-lhe com caroços de azeitona à cabeça.
A mulher pediu a Deus:
- Faz-me bonita ou feia de uma vez por todas e para sempre.
Então Deus fê-la feia.
A mulher chorou muito porque estava sempre a apanhar com caroços de azeitona
e a ouvir coisas feias.
Só os animais gostavam sempre dela,
tanto quando era bonita como quando era feia
como agora que era sempre feia.
Mas o amor dos animais não lhe chegava.
Por isso deitou-se a um poço.
No poço, estava um peixe que comeu a mulher de um trago só, sem a mastigar.
a seguir, passou pelo poço o criado do rei, que pescou o peixe.
cozinha do palácio, as criadas, a arranjarem o peixe,
descobriram a mulher dentro do peixe.
o peixe comeu a mulher mal a mulher se matou,
e o criado pescou o peixe mal o peixe comeu a mulher,
e as criadas abriram o peixe mal o peixe foi pescado pelo criado,
a mulher não morreu e o peixe morreu.
As criadas e o rei eram muito bonitos.
E a mulher ali era tão feia que não era feia.
Por isso, quando as criadas foram chamar o rei
e o rei entrou na cozinha e viu a mulher,
o rei apaixonou-se pela mulher.
- Será uma sereia ?
perguntaram em coro as criadas ao rei.
- Não, não é uma sereia porque tem duas pernas,
muito tortas, uma mais curta do que a outra ,
respondeu o rei às criadas.
E o rei convidou a mulher para jantar.
Ao jantar, o rei e a mulher comeram o peixe.
O rei disse à mulher quando as criadas se foram embora:
- Eu amo-te.
Quando o rei disse isto, sorriu à mulher,
e atirou-lhe com uma azeitona inteira à cabeça.
A mulher apanhou a azeitona e comeu-a.
Mas, antes de comer a azeitona, a mulher disse ao rei:
- Eu amo-te.
Depois comeu a azeitona.
E casaram-se logo a seguir no tapete de Arraiolos da casa de jantar."


Adília Lopes
in Obra, Lisboa, 2001


««««««««««<>»»»»»»»»»»




Adília Lopes e Maria José da Silva Viana Fidalgo de Oliveira são uma e a mesma pessoa. São eu. Como uma papoila é poppy. E muitos outros nomes que eu não sei.
A Adília Lopes é água no estado gasoso, a Maria José é a mesma água no estado sólido.


Eu sou uma mulher, sou portuguesa, sou lisboeta, sou poetisa, sou linguista (todos somos), dizem que o meu estilo, aparentemente coloquial e naïf ,está repleto de jogos fonéticos, associações livres, rimas infantis e idiomas estrangeiros.



Dizem que trato os temas do quotidiano, principalmente femininos e domésticos, com humor e auto-ironia, candura e crueza, inteligência e intencionalidade.


Sou física, sou bibliotecária, sou documentalista, sou míope, nasci a 20 de Abril de 1960, sou solteira, não tenho filhos, sou católica, tenho os olhos castanhos, meço 1,56 neste momento peso 80 Kg, uso o cabelo curto desde 1981, o cabelo é castanho escuro com muitos cabelos brancos




(…) É claro que o poeta é sempre o idiota da família, o maluquinho.

24 de abril de 2008

Canto do Nascimento

.
.
.
EU...ANA PAULA TAVARES...
.
.
«De onde eu venho nascem os rios
nos nervos da terra
correm certos para o mar ou
perdem-se noutros lugares do tempo
sem que ninguém os detenha ...
Venho de muitos rios e um só mar
o Atlântico
suas cores secretas
a música erudita da praia
a espuma lenta das redes
de onde eu venho há lá e cá.
.
.

Maternidade, de Bertina Lopes

CANTO DO NASCIMENTOAceso está o fogo
prontas as mãos
o dia parou a sua lenta marcha
de mergulhar na noite.


As mãos criam na água
uma pele nova

panos brancos
uma panela a ferver
mais a faca de cortar

Uma dor fina
a marcar os intervalos de tempo
vinte cabaças deleite
que o vento trabalha manteiga

a lua pousada na pedra de afiar


Uma mulher oferece à noite
o silêncio aberto
de um grito
sem som nem gesto
apenas o silêncio aberto assim ao grito
solto ao intervalo das lágrimas

As velhas desfiam uma lenta memória
que acende a noite de palavras
depois aquecem as mãos de semear fogueiras


Uma mulher arde
no fogo de uma dor fria
igual a todas as dores
maior que todas as dores.
Esta mulher arde
no meio da noite perdida
colhendo o rio

enquanto as crianças dormem
seus pequenos sonhos de leite.
.
.[Ana Paula Tavares]
.
.
(O lago da lua)
.
.
.

««««««««<>»»»»»»»»»
.
.
.


Ana Paula Tavares nasceu na Huíla, no Sul de Angola, em 1952.
É historiadora com o grau de Mestre em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa.
Em Angola publicou "Ritos de Passagem" (poemas), UEA, em 1985.
Em Cabo Verde, na cidade da Praia, "O Sangue da Buganvília" em 1998.
Publica em 1999 O Lago da Lua,(poemas), seguido de "Dizes-me Coisas Amargas como os Frutos" (poemas) em 2001. Esta obra foi galardoada com o Prémio Mário António de Poesia em 2004, da Fundação Calouste Gulbenkian. Publicou em 2003 "Ex-Votos", (poemas), e em 2004 "A Cabeça de Salomé ", (crónicas).
Tem participação com poesia e prosa em várias antologias em Portugal, Brasil, França, Alemanha, Espanha.
Publicou alguns ensaios sobre História de Angola. E tanto mais...!!!
.
.
.
Mais uma autora a ler e conhecer porque há muito mais a saber...
Mais um obrigada a todas (os) meus amigos pela paciência...
Meg
.
.
.

21 de abril de 2008

Adeus Irmão Branco






ADEUS, IRMÃO BRANCO!
ADEUS,
meu irmão branco, boa viagem!
Chegou a hora de você voltar
para a Europa, a sua terra.
Quando você chegar, há-de falar
dos encantos que encerra
esta África Negra, tão distante,
tão distante, irmão branco...
Pois eu quero, neste instante
da partida, pedir-lhe uma promessa:
-Não se esqueça da alma do negro,
não se esqueça!
Você há-de falar das terras africanas,
da mata e da cubata,
dos montes e das chanas;
mas não se esqueça da alma.
Você há-de falar do sol fogoso,
de caçadas e queimadas,
das noites que viveu em
no mais feiticeiro gozo;
mas não se esqueça da alma.
Vai falar do café, do algodão, do sisal,
da fruta tropical, enfim de toda a flora;

mas não se esqueça da alma.
Você há-de falar dos negros no seu mato,
da negra tentadora
de corpo sensual,
mostrando até retrato;
mas não se esqueça da alma.
Adeus, meu irmão branco!
Lá na Europa,
quando falar da tropical paisagem,
não se esqueça da alma do negro.
Adeus, meu irmão Branco,
viagem!
.
.
[Geraldo Bessa Victor]
.
.
Geraldo Bessa Victor é natural de Luanda, onde nasceu em 1917.
Concluiu o Liceu em Luanda, sendo, então, empregado bancário.
Licenciou-se em Lisboa, em Direito.
Em 1973 decidiu-se pelo término de sua carreira de escritor.
Vive em Portugal.
.
.
«««««<>»»»»»

19 de abril de 2008

Vamos ao trabalho!!!












[Amizade e acácias rubras para vós... eu volto já]

A Amizade é uma pedra única,
rara e maravilhosa que se cultiva diariamente,
com alegria, lealdade e esperança,
renovada pelos reencontros
[retirada algures aqui na net]
Meus Amigos deixem-me só dormir um bocadinho antes de vos visitar, está a ser muito violento e só com as vossas palavras a carinho estou a tentar superar "ISTO"






 
"O problema do mundo de hoje é que os estúpidos só têm certezas
e os inteligentes estão cheios de dúvidas»
Bertrand Russel

17 de abril de 2008

Abril 14, 2008

O Grito

The Cry, by Edvard Munch, 1893(o grito)um relato de voz naquela voz,tão retorcida voz, toda ela espanto.o corpo que é voz tem um esgarque deixa de ser corpo e é só voz.se munch se dissesse, rediriaa voz candente, noite de gravura,que é gravura e voz que firma a tela.intensos tão meandros destes traçosque num itálico do grito a fala senteo homem ser só grito, sem mais homem.
.
Romério Rômulo[Do livro Matéria Bruta]«««««<>»»»»»...
TRIBUTO A UM AMIGO
“Poesia concreta de ferro e aço”
Romério Rômulo nasceu em Felixlândia, Minas Gerais, e mora em Ouro Preto, onde é professor de Economia Política da UFOP.
Prefaciou a primeira edição assinada das poesias eróticas de Bernardo Guimarães, "O Elixir do Pajé" (Dubolso, 1988), mais de 100 anos depois da edição original.
Já publicou diversos livros, como “Só pedras no caminho pedras pedras só pedras nada mais” (Lemi, BH, 1979), “Anjo Tardio” (Edição do Autor, Ouro Preto, 1983), “Bené para Flauta e Murilo” (Edições Dubolso, Sabará, 1990) e a caixa "Tempo Quando" (contendo 4 livros em 2 volumes, Dubolso, 1996).
Seu último livro, “Matéria Bruta” (Altana, SP, foi lançado no Terças Poéticas do após a leitura ao vivo de poemas extraídos do livro que mais parece um exercício de arqueologia à origem.
CONVITE AO POETA ROMÉRIO RÔMULO
.Meu querido amigo Romério, tenho uma surpresa para você.
Enquanto não tem sua página na Internet, lhe ofereço a
Recalcitrante para você publicar o que quiser,
quando quiser, como quiser.
Esta casa é sua.
E tenho a certeza que todos os meus e seus amigos
ficarão felizes de ver você aqui
nos honrando com sua presença.
meg
.
E a resposta veio, meus amigos.
.
romerio r�mulo disse...meg:obrigado pela publicacão do grito.teu convite est� aceito e te enviarei alguns poemas in�ditos.meu abra�o a todos os amigos quese fazem presentes aqui.rom�rio r�mulo14/4/08 21:43
**********
ULTIMA HORA
mail recebido de nosso amigo Romério
meg:16:15 horas./ 15.03
acabo de chegar em casa e vejo suas mensagens.estou com um problema técnico:neste computador,sempre que vou fazer comentários no seu blog há uma distorção das letras.também não consigo ler todos os comentários:eles não abrem.terei,em outro computador,que fazer meu ou meus comentários.
tentarei amanhã ao longo do dia,na universidade.
te peço, se possível, informar isto aos nossos amigos. um grande abraço e obrigado.
romério
(Informo, no entanto, que já lhe enviei os comentários por mail)
.



































33 ComentáriosFechar esta janela Ir para o formulário de comentários

Maria Faia disse...
Lindo Amiga,Deste teu gesto amigo de partilha pode resultar uma rica e frutífera troca de experiências culturais.Magnífico.Um beijo amigo, com votos de uma semana feliz,Maria Faia
14/4/08 15:07
Fernando Rozano disse...
lindíssimo poema, voz que entranha-se na alma. fantástico post. abraços.
14/4/08 19:54
Agulheta disse...
Meg.Lindíssimo poema,a foto de fundo me faz um pouco arrepiar,pois lembra tempos! mas gostei,a tristeza passou.Beijinho de amizade Lisa
14/4/08 21:22
SILÊNCIO CULPADO disse...
MegAqui vive-se a cultura.Descubro poemas e poetas e formas diferentes de falar. Mas sempre com aquele grito de Munch, o inconformismo que é em si uma obra de arte e uma criatividade.Gostei também da ideia da partilha, essa abertura que tem a franqueza de quem não é mesquinho.Belo momento este que passei aqui.Um abraço
14/4/08 21:40
rom�rio r�mulo disse...
meg:obrigado pela publica�o do grito.teu convite est� aceito e te enviarei alguns poemas in�ditos.meu abra�o a todos os amigos quese fazem presentes aqui.rom�rio r�mulo
14/4/08 21:43
Ka disse...
ahhhDe facto é uma boa surpresa :)Venham os poemas para nós os lermos e nos deliciarmos com eles!!!Beijinhos aos 2 e uma excelente semana
14/4/08 23:35
anamarta disse...
Meg É uma ideia excelente! obrigada pela partilha. Belíssimo poema este, todo o post está magnífico beijinhos e boa semana
15/4/08 00:13
Menina do Rio disse...
Que maravilha poder chegar aqui e ler mais um poema do nosso poeta mineiro!Meg, obrigada por nos dar este prazer!Deixo-te um beijo e votos de uma semana de paz
15/4/08 02:56
Carminda Pinho disse...
MegÉ também de partilha que se faz a bogosfera.A poesia de Romério de novo aqui, engrandece quem a fez e quem a publica.Quem a lê como eu, só pode ficar agradecida aos dois.Beijos
15/4/08 05:06
Amaral disse...
MegBonito o poema. Aos pouco, aqui, vou conhecendo a poesia deste poeta, irmão de letras.Boa semanaAbraço
15/4/08 11:24
AJO disse...
Passei para ver e ler o que tens para nós... e uma vez mais belas leituras fiz por aqui. Deu para relaxar um pouco.BJS
15/4/08 11:31
Marco Ferreira disse...
Seria de certeza uma excelente interacção entre poeta e público e em tempo real.Continuação de uma excelente semana.marinheiroaguadoce a navegar
15/4/08 12:39
Carla disse...
Tens um coração grande como o mundo, onde a beleza é uma flor com pétalas coloridas...por mim adorava conhecer mais da obra deste poeta que tão bem dá vida às palavrasbeijos amiga
15/4/08 13:14
Sophiamar disse...
De partilha deveria ser feita a vida. Sempre! Um bonito poema.Um beijo
15/4/08 17:34
São disse...
Meg, minha querida, parabéns e agradecimentos pela proposta a quem escreve tão bem.Também a minha gratidão por me teres convidado para esta festa de cultura!!Bem hajas!
15/4/08 18:56
O Guardião disse...
Penso que esta é pelo menos a 2ª vez que aqui trazes este poeta brasileiro e que até já aqui vi uma foto da sua casa de Ouro Preto.Tal como da primeira vez, gostei da força deste grito. Cumps
15/4/08 19:54
SILÊNCIO CULPADO disse...
MegHoje trago aqui um cheirinho de Moçambique com este pensamento de Jorge Rebelo que retirei do livro de Mia Couto Pensatempos."Não basta que seja pura e justa a nossa causa.É preciso que a pureza e a justiça existam dentro de nós."Abraço
15/4/08 23:16
Savonarola disse...
Querida Meg,Agradeço-te o partilhares assim connosco os teus brilhantes amigos. Continuo sempre a aprender de cada vez que te visito.Beijinhos Anarquistas
15/4/08 23:32
Porca da Vila disse...
Parabéns aos dois. Fico a aguardar os poemas prometidos.Xi Grande
16/4/08 00:03
Chanesco disse...
Caríssima MEGEste poema é um GRITO de revolta que atravessou o Atlântico.Abraço
16/4/08 00:23
jo disse...
Cidadã anónima deste lado do oceano rendo homenagem ao poeta que com a mesma intensidade de munch deu o seu "grito", tendo mesmo me arrepiado pela sua intensidade. Parabens.
16/4/08 01:07
bettips disse...
Plataforma de saber e conhecer, este lugar de encanto. Pela tua mão descobrimos, pela tua mão lembramos.Mais poesia mais longe!(há sempre um banquinho, na porta de trás, para ti, Meggy)Beijinhos
16/4/08 01:18
Maria Clarinda disse...
Maravilda de poema,Meg. Obrigada pela partilha.Hoje sim consegui entrar. Jinhos mil
16/4/08 08:39
Maria Clarinda disse...
E com a preocupação de te dizer que tinha conseguido entrar, não re disse que amo esse quadro, é mesmo marcante na minha vida.Ficou lindo neste poema.Jinhos grandes
16/4/08 08:49
Miguel Barroso disse...
Belo poema. Onde me revejo.A SEIVA
16/4/08 10:43
Belzebu disse...
Nem o imenso oceano pode impedir esta partilha de palavras e emoções. A amizade ultrapassa todas as dificuldades informáticas, a falta de disponibilidade ou mesmo as distancias. Assim ecoou este "grito" estridente da mais pura amizade!Seja bem-vindo amigo Romério!Aquele abraço infernal!
16/4/08 15:01
romério rômulo disse...
amigos do blog e amigos meus,poisque os sinto assim:meg:15:21h no brasil.vem de todos aquitanta atenção comigo e com o meu trabalho que só me cabe dizer muito obrigado e deixar um grande e fraternal abraço.nos veremossempre.romério rômulo
16/4/08 19:26
romério rômulo disse...
amigos do blog e amigos meus,poisque os sinto assim:meg:15:21h no brasil.vem de todos aquitanta atenção comigo e com o meu trabalho que só me cabe dizer muito obrigado e deixar um grande e fraternal abraço.nos veremossempre.romério rômulo
16/4/08 19:26
Meg disse...
Teste... estou a tentar comentar
16/4/08 19:55
Meg disse...
AO ROMÉRIO RÔMULOMeu Amigo Romério, hoje sou eu que estou tendo dificuldade em entrar nos comentários.MAS QUERO COMUNICAR AOS SEUS AMIGOS A SUA IMPOSSIBILIDADE DE FICAR CONNOSCO ESTA NOITE POR IMPERATIVOS DE ORDEM PROFISSIONAL.VOU PUBLICAR NO BLOG, POIS FICA MAIS VISÍVEL A TODOS E NÃO SÓ A QUEM VEM COMENTAR.AGRADEÇO O SEU CUIDADO E SEI COMO ESTE PROBLEMA NO PC DESORGANIZA A VIDA DAS PESSOAS.AQUI, TODOS NOS SABEMOS O QUE É ISSO. NÃO SE PREOCUPE.VOU PUBLICAR HOJE TAMBÉM ALGUNS LINKS PARA QUE SEUS AMIGOS POSSAM VER O SEU TRABALHO.E QUANDO LHE APETECER, CONSIDERE A RECALCITRANTE UM ESPAÇO DE QUE PODE DISPÔR.UM ABRAÇO PARA VOCÊMEG
16/4/08 20:31
Papoila disse...
Querida Meg:Hoje no dia da voz, venho aqui ler este magnífico poema da voz da alma de Romério Rómulo.Belíssimo o teu gesto.Beijo e grande abraço aos dois.
16/4/08 22:13
Sei que existes disse...
É um lindo poema acompanhado por uma excelente imagem que julgo que retrata aquilo por que todos nós já passámos em alguma fase das nossas vidas!Esse teu gesto de partilha é de louvar.Como sempre este blog está sempre a ensinar algo mais...Ah... não emigrei, continuo por cá, mas hiper atarefada. Mas bem que me apetecia fazer uma viagemzita...Beijo grande
16/4/08 22:36

11 de abril de 2008

Prefiro Luanda, Baudelaire!


[Carlos Botelho]





"Dis-moi, mon âme, pauvre âme refroidie, que penserais-tu d'habiter Lisbonne?

Il doit y faire chaud, et tu t'y ragaillardirais comme un lézard.

Cette ville est au bord de l'eau; on dit qu'elle est bâtie en marbre, et que le peuple y a une telle haine du végétal, qu'il arrache tous les arbres.

Voilà un paysage selon ton goût; un paysage fait avec la lumière et le minéral, et le liquide pour les réfléchir!"



Charles Baudelaire - Poeta e prosador francês - (1821-1867)





Diz lá, minha alma, ó minha pobre alma arrefecida, que acharias tu de viver em Lisboa?

Lá deve fazer calor, e com isso haverias de regalar-te como qualquer lagarto.

A cidade é à beira d'água; diz-se que é construída em mármore e o povo odeia os vegetais a um ponto tal que arranca todas as árvores.

Ora aí tens uma paisagem a teu gosto, uma paisagem feita de luz e mineral com o líquido a oferecer-lhes o seu frescor."

"
Charles Baudelaire - Poeta e prosador francês - (1821-1867)