1 de abril de 2009

O País à Porta

.
.
Paula Rego - Salazar a vomitar a Pátria Se pudesses, O'Neil, ver hoje o teu país, (ou tu, Assis Pacheco, filho pródigo destes quintais floridos) velho de oito séculos e pouco mais velho desde que o deixaste, país que secretamente não vota para não se maçar enquanto furta com arte as gaiolas vizinhas a cantar nas paredes caiadas, país com mais que fazer (futebol para ver e mato para queimar); ----- se pudesses vê-lo agora não levarias a peito, mas confirmarias, estou certo, que tem defeito de nascença ou de fabrico, mais valendo, por isso, como em vida tua valeu, deitar por terra a lança do ódio, fechar a navalha do tédio, sacudir o ombro amigo da solidão e rir sonoramente de tudo, talvez não tanto à porta da pastelaria como hoje em dia, à porta dos chineses, mas rir sonoramente de tudo, dizia, - de ti mesmo, sobretudo. Rui Lage In "Revólver" (Quasi Edições, 2006).

50 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

MEG

"mas rir sonoramente de tudo".
Como eu gostaria!..
Mas nem no dia das mentiras consigo achar graça ao que temos.

Um poema actual dum autor que também ainda não conhecia.

Abraço

ParadoXos disse...

além de ficar a conhecer, gostei...
são as mudanças que nos mudam, outrora eram outros os tempos de hoje!

bela escolha e partilha amiga Meg!

teu beijinho, carinhoso!

Moacy Cirne disse...

Se o poema de Rui Lage é bom, a pintura de Paula Rego é ótima. Parabéns pela escolha.

Brijod & cheiros.

Meg disse...

Lídia,
Que a vida não está para graças também estou de acordo.
O autor é um dos novos poetas que trarei aqui mais vezes.

Um abraço

Meg disse...

Heduardo,

Ainda bem que gostaste, porque é um poema bem actual.

Um abraço

Meg disse...

Caro Moacy,

Não conheces e não é de estranhar porque é um dos muitos e novos poetas, ainda sem nome na "praça".
Mas voltará aqui.

Um cheiro

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Amigo pode ser de onde for
Mas se existir amizade
Sempre se lembrará de nós
Amigo pode estar do outro lado do oceano
Mas se o é de verdade
Sempre nos manda um abraço
Amigo pode estar em dificuldade
Mas sempre tem uma palavra amiga para nós
Amigo é aquele que te limpa a lágrima
Não o que faz com que ela caía
Sempre que precises de mim meu amigo ou amiga
Estarei por perto lembra-te
E eu terei junto de teu coração

Um abraço do amigo Eduardo Poisl

utopia das palavras disse...

Quanta verdade neste poema de Rui Lage (conheço ao de leve o seu nome, mas não a sua obra)
... um País com defeito de fabrico, que vive remendando os seus próprios defeitos!!!!

Imagem magnífica de Paula Rego, que eu gosto imenso!

Um beijo

Peter disse...

"país que secretamente não vota
para não se maçar"

Votar em quem?

P.S. - Não consegui ver o Salazar no quadro da Paula Rego, talvez seja por ser uma pintora que não aprecio.

Papoila disse...

Querida Meg:
Como sempre um conjunto fantástico...
Não conecia o poema e gostei imenso.
"país com mais que fazer
(futebol para ver
e mato para queimar);"...
Trágico!
Beijos

Amaral disse...

Meg
Para o bem deles, ainda bem que naõ podem ver o País deles. Não este. Este país dominado e amordaçado.
Abraço

Zé Povinho disse...

O país que temos, que muitos não queremos, mas que mais ainda nos impõem. Uns já se lamentam, outros envergonhados escondem-se, mas poucos são ainda os que denunciam a injustiça, desafiam o poder e apontam o caminho da mudança.
Abraço do Zé

Pata Negra disse...

Lido e engolido, engasgado com o versame, não me posso rir mas dou uns pulos de contentamento. Ou será que o chão está a escaldar e eu estou descalço?!
Um abraço partilhado com esse de tal Lage

Marco Ferreira disse...

Como alguém disse e bem ... 1 de abril, dia de Portugal.

marinheiroaguadoce a navegar

Meg disse...

Uma Página para Dois

Eduardo, muito obrigada pelo poema do amigo.

Um abraço

Meg disse...

Utopia das palavras

Ausenda, este é um poema de 2006 que continua bem oportuno.

Um beijo

Meg disse...

Peter,

Este nosso país que parece sofrer de defeito de nascença...

Sobre a Paula Rego, também não gosto das mulheres que pinta.

Um abraço

Meg disse...

Papoila,

É um poema de um dos nossos novos poetas. Mas que descreve muito bem a nosso estado actual.

Um beijo

Meg disse...

Amaral,

É triste constatarmos a verdade deste poema.

Um abraço

Meg disse...

Amigo Zé,

Por quanto tempo ainda?
Um país que não vota para não se maçar...

Um abraço

Meg disse...

Meu caro Pata-Negra,

Estás descalço e o chão está a escaldar, claro!
E o Rui Lage ainda vai dar que falar.

Um abraço

Meg disse...

Marco,

Essa não está nada mal pensada...
passar o dia de Portugal para o 1º de Abril.

Um grande abraço

MPS disse...

Embora a mim, por antítese, esta pintura de Paula Rego me recorde sempre "Cronos devorando os filhos" de Goya, achei curiosa, a sua associação a um poema que remete para o país de Salazar que ainda permanece.

Gosto da poesia de Rui Lage que, apesar de só ter dois ou três títulos publicados, é pessoa de relevo no mundo editorial. Apesar disso, pelas associações que faz, este poema só poderia ser escrito por alguem que não sofreu pessoalmente o garrote que foi a ditadura.

Um abraço

Mariazita disse...

Querida Meg
Obrigada pelas lindas palavras que deixaste no meu "Histórias".
Para já tenciono publicar lá uma vez por semana, à quarta-feira.
Depois...se verá.

Não conhecia o poeta Rui Lage, mas gostei muito de conhecer.
Pelo menos neste poema revela uma força muito grande.
Com certeza não te ficarás só por este poema.
Aguardo, mas convicta que irei confirmar a primeira impressão.

Bom fim de semana.

Beijinhos
Mariazita

Bipede Implume disse...

Bem interessante este poema. Mas, de facto, não dá muito para rir.
Resta-nos esta liberdade de partilharmos nossos pontos de vista, porque no tempo de Salazar era impossível.
Bom fim de semana, amiga.
Beijinhos.

romério rômulo disse...

meg:
passo para me atualizar e deixar meu abraço aos amigos do blog.
um beijo.
romério

Meg disse...

MPS

Descobri recentemente o Rui Lage e por ter gostado aqui o trouxe pela primeira vez... ele voltará.

A associação da tela ao poema não foi inocente... felizmente sou dos que menos sofreram com a ditadura... não estava cá até 74.

Um abraço

Meg disse...

Mariazita,

Tens razão... Rui Lage voltará mais vezes.
Bom fim de semana
Um beijo

Meg disse...

Isabel,

Pois também acho que o poema não é para rir... mas para pensar no país que temos.
Bom fim de semana

Um beijo

Meg disse...

Romério,

Também tenho planos para ti, meu amigo... muito em breve.

Um abraço - acho que posso falar pelos amigos - para ti também.

Um beijo

O Guardião disse...

Estamos mal mas espero que haja vontade de mudar...
Cumps

bossa_velha disse...

"rir sonoramente de tudo".
LINDO!

Chanesco disse...

Meg

Deixa arder Portugal.
Quando acabar a bola já lhe vamos acudir.

Abraço

Filoxera disse...

Gostei muito do poma, mas não menos da música.
Beijinhos.

Carminda Pinho disse...

Meg,
este poema é actualíssimo.
Estamos práticamente à porta de um País que já foi de tanta gente justa, honesta, incorruptível...
Infelizmente hoje, é o que se vê,o que se ouve, o que se adivinha nas entrelinhas, e não me parece que estejamos nada bem...

Beijos

tulipa disse...

Obrigado pela partilha, querida Meg.

Comemoro o 1º aniversário do meu blog "DeAbrilemdiante", no entanto, não faço qualquer festa como é habitual em mim, devido ao momento de luto que atravesso pelo falecimento da minha sobrinha Tânia.
...Foste tu que me meteste o bichinho dos blogues, foste tu que me incentivaste a escrever, elogiaste sempre a minha escrita e, através de ti tive um blog que durou 3 anos, há 1 ano criei este com a tua ajuda, passo a passo e depois ainda voltei a criar um outro mais virado para as minhas fotos e viagens pelo Mundo.
Neste dia a homenagem é feita a ti, minha "pikena".

Votos de boa semana.
Beijos.

Meg disse...

Guardião,

Eu não diria que falta vontade, mas talvez coragem, meu amigo.

Um abraço

Meg disse...

Bossa_Velha

Benvindo a este espaço.

Muito obrigada.

Cumps

Meg disse...

Querido Chanesco,

Se calhar tens razão... o mais importante é a "bola". O pior é o resto...

Um abraço

Meg disse...

Filoxera,

Este poema, apesar de 2006, é muito oportuno.
Ainda bem que gostaste da música.

Um beijo

Meg disse...

Carminda,

Estamos à porta de tanta coisa... das eleições por exemplo.
É tempo de meditar e decidir e não de rir sonoramente.

Um beijo

Meg disse...

Tulipa,

Claro que irei visitar-te para te dar os parabéns por mais este aniversário, apesar de tudo o que se passou...
Tens de ter coragem e continuar em homenagem à tua "pikena". Ela estará presente para te dar forças.

Um beijo

São disse...

Gostei do poema, mas- desculpem-me - não aprecio Paula Rego.
Uma Páscoa doce e em boa companhia.

SILÊNCIO CULPADO disse...

MEG

Uma boa semana para ti.

Abraço

Maria Faia disse...

Adorei Amiga,
E, não só subscrevo, como me apetece gritar aos quatro ventos que mais vale deitar por terra a lança do ódio, fechar a navalha do tédio, sacudir o ombro amigo da solidão e rir sonoramente de tudo.
O problema Meg reside na sobrevalorização do inútil (ou dos inúteis) que alimenta a alma a muita gente "menor"...

Um beijo amigo para ti e, votos de uma semana feliz,

Maria Faia

Meg disse...

São,
Porquê pedir desculpa, não és a única... Paula Rego, reconhecida como uma grande pintora, também não agrada a muitos...
Se gostaste do poema, fico feliz.

Um beijo

Meg disse...

Lídia,

Uma boa semana para ti também.

Um abraço

Meg disse...

Maria Faia,

Sobrevalorização do inútil, a par de um obsceno apelo ao crédito fácil por parte das instituições de crédito fácil.
Agora aí está a factura para pagar.

Um abraço

duarte disse...

deixei de achar piada às navalhas de tédio...e já não tenho espaço para o riso. Neste momento ensino o grito...que é a coisa mais pacífica que se pode fazer.
abraço do vale(com um sorriso para a gente de bem)

Meg disse...

Duarte,

Este País está à porta... para entrar ou para sair?

Um abraço