4 de julho de 2008

Democracia

.
Quando li este poema, pensei logo nesta tela da Ema Berta
.
Será que a Democracia está neste estado?
.
.
Ema Berta, 1985
DEMOCRACIA
Fui dar com a democracia embalsamada, como
o cadáver do Lenine, a cheirar a formol e aguarrás,
numa cave da Europa. Despejavam-lhe por cima
unguentos e colónias, queimavam-lhe incenso
e haxixe, rezavam-lhe as obras completas do
Rousseau, do saint-just, do Vítor Hugo, e
o corpo não se mexia. Gritavam-lhe a liberdade,
a igualdade, a fraternidade, e a pobre morta
cheirava a cemitério, como se esperasse
autópsias que não vinham, relatórios, adêenes
que lhe dessem família e descendência. Esperei
que todos saíssem de ao pé dela, espreitei-lhe
o fundo de um olho, e vi que mexia. Peguei-lhe
na mão, pedi-lhe que acordasse, e vi-a mexer
os lábios, dizendo qualquer coisa. Um testamento?
a última verdade do mundo? «Que queres?»,
perguntei-lhe. E ela, quase viva: «Um cigarro!»
Nuno Júdice

Publicado em Fotografia,
O Olhar de...,Poetas
.
.
.

38 comentários:

Amaral disse...

Meg
Por acaso a "cara dá com a careta", o poema associa-se à tela. Já conhecia este belíssimo poema. Quanto à democracia... talvez esteja mesmo assim: amordaçada.
Bom fim-de-semana
Abraço

Agulheta disse...

Meg. Adorei o texto,será que a democracia sofre deste mal? Espero que não,mas como vejo muitas coisas impacotadas! até desconfio.
Beijinho Lisa
BFS

meg disse...

Querido Amigo

Pois eu achei que tem mesmo a ver a letra com a careta.
E apesar de andar a ler só "as gordas", se isto em que vivemos é
uma democracia, não a quero.

Um abraço

meg disse...

Lisa,

Eu acho que ela já não sofre de mal nenhum... Há para aí uns restos de qualquer coisa sem nome.
Esperemos (que remédio) para ver.

Um abraço

Eduardo Leal disse...

Olá Meg.

A Democracia cheira mal... é certo!

É usada por gente que não lhe conhece os sentidos profundos, nem se lembra da falta dela... é também bem certo!

Mas é quando vejo as "democracias" de outros, como p.e. no zimbabwe, que dou valor a esta... que ao menos me permite desdenhar... e que bem merece!

meg disse...

Eduardo,

Que boa surpresa a tua presença.
Tens razão, é verdade, mas com o que temos dentro de portas, já dá para desanimar qualquer mortal.

Um abraço

Papoila disse...

Querida Meg:
A tela representa na perfeição o poema de Nuno Júdice sobre estado da democracia neste velho continente... está em estado de coma.
Beijos

O Guardião disse...

Aquilo a que nestes dias se chama democracia, cheira mal mesmo com incenso e haxe, e está bem retratada nas palavras e na imagem.
Cumps

meg disse...

Papoila,

É mua triste realidade, esta que estamos a viver.
E não se vê luz ao fundo do túnel.
Bom fim de semana
Um abraço

meg disse...

Meu querido Guardião,

Cheira mal e não é pouco.
Há até quem diga que já morreu...
Veremos em pouco tempo.
Obrigada pela visita.
Um abraço da
Meg

Pata Negra disse...

Dizem que a democracia nasceu na Grécia Antiga. Dizem-nos que isso não era bem uma democracia. Dizem que, sim, agora é que há democracia.
O problema é que a democracia está reduzida a boletins de voto. O problema é que a palavra "democracia" está gasta. Os políticos fizeram à palavra "democracia" o que os padres dos altares fizeram à palavra "amor".
Só alguém dotado de uma visionária cegueira sectarista pode ouvir sócrates e concluir:
- Este homem é um democrata!
Demo-Casto talvez! E dizem:
- Mas no resto do mundo ainda é pior!
Pois, o melhor mesmo é ficarmos por aqui! Que se lixe a democracia!
Eu vou mas é ao futebol!
Um abraço sem voto

meg disse...

Querido amigo Pata Negra.

Pois é assim que a vejo à Democracia. Horrorosa!
E a dos outros, claro que aquela do soba é bem pior... NEM O É!

E depois do que me contas, ainda vais ao futebol? Olha que por lá também as coisas andam a feder.
E parece que "tão bom és tu, como tu, vê lá tu!"
Só vergonhas!

Um bom fim de semana
Um abraço da Meg

A paginadora disse...

Querida amiga
Volto outro dia para comentar o post que me parece estar 5 *.
Hoje estou demasiado cansada e a precisar de ir dormir.
Desejo-te um bom fim-de-semana
Beijos

Anónimo disse...

venha participar em www.luso-poemas.net

MPS disse...

Cara Meg

Conheço bem o poeta e a pintora. Do poeta, neste poema, é suprema a ironia: se aos cidadãos e aos detentores do poder não importa a democracia, porque haveria ela própria de cuidar de si?

Conhecia esta pintura da Ema Berta. Curiosamente, sempre a associei ao tratamento dado às crianças até ao Antigo Regime: as mães, tendo que trabalhar na terra de sol a sol, deixavam as crianças pequenas embrulhadas numa espécie de ligaduras (como se fossem múmias). Assim manietadas passavam os dias numa cabana térrea onde toda a bicharada entrava. Porcos e ratos roíam-lhes as orelhas, o rosto... Se não morressem por isso morriam, naturalmente, de subnutrição ou por falta de higiene. Não será por acaso que, ainda hoje, em linguagem transmontana, às crianças de colo ainda chamamos "chagouro".

Um abraço

meg disse...

Amiga Paginadora,
Eu sei o que é a falta de tempo, agora, por isso valorizo o carinho da tua visita. Quanto ao post... é só para pensar no que andamos a fazer.
Bom fim de semana
Um abraço

meg disse...

Caro Anónimo... (porquê anónimo?)

Agradeço o convite e prometo ir ao
Luso-Poemas, logo que possível.

Um abraço

meg disse...

Querida MPS,

Desconhecia completamente essa forma de imobilizar uma criança.
E as razões absurdas, mas temos de nos lembrar das circunstâncias e do
tempo em que isso acontecia... Mas triste, é, sem dúvida!
A pintura da Ema Berta não é fácil de se gostar, aparentemente não terá muito a ver com a poesia do Nuno Júdice, mas aqui foi um clic.
Sabe que não percebo de poesia, é apenas intuição.
E tenho mais uma palavra para procurar... chagouro!
A visita da Maria é sempre um momento especial.
Um grande abraço para si,
da Meg

Maria Faia disse...

Querida Amiga,

Já faz um bom tempo que não me tenho "perdido" pela net. Afazeres da minha vida pessoal, profissional e associativa (em particular esta última) têm-me "consumido quase todo o meu tempo livre e, assim, a blogosfera tem ficado para trás.
Mas, isso não significa que eu esqueça os(as) Amigos(as). Isso não acontece nunca, podes ter a certeza disso.
Hoje venho agradecer a tua Amizade e dizer o quão é importante este sentimento para mim...
A tela com que ilustras o teu post da democracia arrepiou-me de princípio... Mas, olhando bem, tem muito a ver com a democracia que nos dias de hoje vivemos....

Desejo-te um resto de Domingo feliz e uma óptima semana.

Um beijo sempre amigo,

Maria Faia

meg disse...

Querida Maria Faia,

Agora que estou com tão poco tempo disponível, cada visita que me fazem é uma prova de carinho. Não tenho tempo para fazer visitas, sobretudo para ler e comentar... que é o que as pessoas que escrevem esperam de quem os visita.
Mas vejo os meus amigos aqui e aqui vou tentando, e tenho conseguido, responder aos comentários.
Se não fosses uma pessoa tão ocupada, gostava que espreitasses o Verso e Prosa.
Abraço do Romério... que já tem um blog, imagina! O link está com um selo aqui mesmo ao lado.

Maria Faia, uma grande abraço para ti,

Pepe Luigi disse...

Cara Meg,
Não sabes o quanto eu tenho penado para entrar neste teu blogue. Tenho sido remetido sempre para o teu anterior que houve alguém sem escrúpulos resolveu fazer "sacanagem".
Por fim consegui entrar neste teu lindo espaço e por cá me fui movimentando demoradamente com delícia.
Parabéns porque esta tua nova casinha está um verdadeiro regalo.
Beijinhos
do Pepe.

A paginadora disse...

MEG

LI ATENTAMENTE O POEMA E PENSO QUE INFELIZMENTE A NOSSA DEMOCRACIA ESTÁ MORIBUNDA OU PELO MENOS BASTANTE ANESTESIADA COMO SE JÁ POUCA VIDA LHE RESTASSE.
HÁ QUE ARREGAÇAR AS MANGAS E FAZER ALGO PARA INVERTER A SITUAÇÃO.
A IMAGEM TEM TUDO A VER COM O POEMA DE NUNO JÚDICE. NA MOUCHE!!!
UM GRANDE BEIJO

meg disse...

Caro Pepe,

Há muito que realmente sentia a tua ausência, mas como reclamar, se eu própria não tenho tido disponibilidade para fazer as visitas habituais.
E espero que agora tenhas ligação directa para este meu espaço.

recalcitrantemor.blogspot.com

A "sacanagem" não surtiu efeito, meu caro! E já lá vai!

Um grande abraço

meg disse...

Amiga Paginadora,

É lamentável, mas é assim mesmo que sinto que estamos. E não é com alegria que o digo.
É preciso fazer qualquer coisa?
É, minha amiga, mas o quê, se quem pode não o faz.

Portugal neste momento é uma grande mesa, onde foi servido um grande banquete a meia dúzia de convidados . Até as migalhas se foram.
Democracia?... Que é dela?
Um abraço

Fernanda Veiga Floripes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
SILÊNCIO CULPADO disse...

MEG
A democracia tornou-se prostituta. Não, ainda não é cadáver e eu ainda acredito. Acredito sempre mesmo quando a vejo vendida e conspurcada.
Linda é a tela mas há sol e eu guardei um pouco para ti. O Algarve é a terra da luz mas o sol que te reservo é meu, da minha amizade, do meu apreço por quem recalcitra.

Beijos

Odysseus disse...

Acho que está mesmo pior, sinceramente.

:(

meg disse...

Fernanda,
Ah, mas eu vou descobrir rapidinho quem é você lá no V&P.
Obrigada pelas suas palavras, não sabe como fiquei contente. E sabe que já andei ai em seu blog
Espero vê-la mais vezes por cá
Um abraço

meg disse...

Silêncio Culpado,
Lídia,

Pena é que junto com o sol, para o Algarve venha tanta coisa deprimente. Eu cansei, minha amiga.
Mas o seu sol eu aceito com todo o carinho. Do outro fujo, de verdade.

Vou ter novidades para os amigos...suspense!

Um abraço
Meg

meg disse...

Caro Odysseus,
Sou da sua opinião.
Exactamente.

Um abraço
meg


PS:espero que TUDO vá melhorando!

Carminda Pinho disse...

Meg,
Este poema parece ter sido escrito agora.
Só espero que...não seja o último cigarro, para bem de todos.

Beijos

Belzebu disse...

Será que ninguém lembrou à democracia que é proibido fumar em locais públicos? E ninguém lhe disse que os doentes terminais não devem fumar?

eheh!! Aquele abraço infernal!

DelfimPeixoto disse...

Interessantissimo. Gostei ( não conhecia)

meg disse...

Carminda,

Não foi hoje mas também não foi há muito tempo, é bem recente.
Mas e a imagem?
Não é assim que estamos?

Um abraço

meg disse...

Meu querido Belzebu,

Mas como somos distraídos!!!
Imperdoável.
Só o teu olho clínico para dar conta destas anormalidades e da gravidade da mensagem passada pelo poema!
Que bom ver-te! Que saudades.
Feliz ou infelizmente, o meu tempo regressa e vou poder visitar-vos
mais regularmente. Se me entendes...

Um abraço amigo

meg disse...

Caro Delfimpeixoto,

Agradeço a sua visita e a apreciação que faz. Pois se gostou, será um prazer recebê-lo sempre que o deseje.
E já fui dar uma olhada rápida ao seu blog. Quase só vi que tem blog.
Por isso voltarei para ler com atenção.

Cumps

padeiradealjubarrota disse...

A Democracia está inerte e embrulhada em panos verdes de esperança. Para o quadro ficar completo, estes deveriam ser negros ou roxos.

padeiradealjubarrota disse...

A Democracia está inerte e embrulhada em panos verdes de esperança. Para o quadro ficar completo, estes deveriam ser negros ou roxos.