22 de novembro de 2010

Ora porra! - Manifesto de Álvaro de Campos


Gustave Courbet

Ora porra!
Nem o rei chegou, nem o Afonso Costa morreu quando caiu do carro abaixo!


E ficou tudo na mesma, tendo a mais só os alemães a menos...
E para isto se fundou Portugal!

Arre, que tanto é muito pouco!
Arre, que tanta besta é muito pouca gente!
Arre, que o Portugal que se vê é só isto!
Deixem ver o Portugal que não deixam ver!
Deixem que se veja, que esse é que é Portugal!
Ponto.


Agora começa o Manifesto:
Arre!
Arre!
Oiçam bem:
ARRRRRE!


Ora porra!
Então a imprensa portuguesa é
que é a imprensa portuguesa?
Então é esta merda que temos
que beber com os olhos?
Filhos da puta! Não, que nem
há puta que os parisse.


Álvaro de Campos
Poesia

Assírio & Alvim

20 comentários:

Jorge Manuel Brasil Mesquita disse...

ARRE, QUE PORRA DE PAÍS! Nada mudou depois de tanto arre. Que porra!
Jorge Manuel Brasil Mesquita
Lisboa, 22/11/2010

Zé Povinho disse...

Que m... de país. O Pessoa registou-o e nada mais tenho a acrescentar. Gostei de ver aqui o auto retrato do G. Coubert, mas lembrei-me logo d"A Origem do Mundo".
Abraço do Zé

Pata Negra disse...

Ora Porra, estava a ler isto e lembrei-me do Fernando Pessoa! Só que este tal Álvaro disse porra! Que palavra feia! Hoje diz-se: ora fd-se!
Um abraço do alberto porraeiro

luzete disse...

a mag não deixa pedra sobre pedra! e ainda se socorre do haroldo. orra meu! bela mag.

São disse...

Pessoa reencarnou hoje escrevendo acerca da "histórica Cimeira da Nato"?!

Um abraço.

Bipede Implume disse...

Querida Meg
Olha se ele estivesse aqui e agora?
Com que expressões se manifestaria.
Parece, realmente, que só as moscas é que mudam.
(Deixa lá, somos duas a guardar tudo.)
Mas não desistas... porque isto sem ti não tinha graça nenhuma.
Beijinhos.
Isabel

JPD disse...

Aí está um texto brilhante e uma ilustração a preceito.

Gostei muito desta edição.
Bjs, Meg

Ana Tapadas disse...

Adequadíssimo!
Beijo

DECIO BETTENCOURT MATEUS disse...

Um bom desabafo (universal), este de de Campos.

Jinhos de bom fim de semana.

samuel disse...

Como se vê, ter razão nem sempre dá gosto...

Abreijo.

Vieira Calado disse...

Obrigado pelo convite.

Este, eu não conhecia.

Podia ter sido escrito hoje!

Saudações poéticas

Fragmentos Betty Martins disse...

._______querida Meg




[...]


é mesmo


___________PORRA!!!

gritamos todos nós!



________///





beijO______ternO
bfs

Maria disse...

Ando a gritar PORRA faz tempo!
Pode ser que um dia resulte...

Beijo, Meg.
(e obrigada)

Janaina Amado disse...

Meg querida,
C'a estou eu, recem chegada de viagem,atendendo ao seu convite. Para mim 'e sempre bom demais vir aqui, n~ao pode haver chato que te impeca de escrever! Estou voltando aos poucos `a blogosfera. Beijo carinhoso!

Anónimo disse...

Aceitei o teu convite -
antiga convivência!
Que porra!
não terão mais que fazer os chatos deste país, ou deste lugar privado - que chatear os outros?
Bjs Meggy
da B.

APC disse...

O poema diz tudo, não diz, Meg?
Obrigado pelo amável convite.
Beijinhos

Ana Tapadas disse...

Meg,
como sabes sou alentejana, raramente digo palavrões, mas...«ora porra!», quem tira os dias para te chatear?!
Cá estou aceitando o convite com muito prazer por poder continuar a visitar-te.


(Confesso que já estive para fechar tb o meu. Um aluno que me idolatrava, excelente aluno de 2005, com o curso de Direito quase completo...ficou esquizofrénico. Lamentável. Tenho sofrido com isso, até porque comenta o meu blogue com «absurdos».)

jrd disse...

O tempo dos "porras" há-de ter fim.
Agradeço o convite.
Abraço

São disse...

De coração, obrigada!!

Bem hajas, minha querida!

Pata Negra disse...

Ora Porra! Agora é que eu não percebo nada disto! Como é que eu vim parar aqui?! Resiliente é sinónimo de Recalcitrante?!
Abreijos à nora