15 de dezembro de 2010

Portugal... por Neruda



Portugal,
vuelve al mar, a tus navíos,
Portugal, vuelve al hombre, al marinero,
vuelve a la tierra tuya, a tu fragancia,
a tu razón libre en el viento,
de nuevo
a la luz matutina
del clavel y la espuma.
Muéstranos tu tesoro,
tus hombres, tus mujeres.
No escondas más tu rostro
de embarcación valiente
puesta en las avanzadas de Océano.
Portugal, navegante,
descubridor de islas,
inventor de pimientas,
descubre el nuevo hombre,
las islas asombradas,
descubre el archipélago en el tiempo.
La súbita
aparición
del pan
sobre la mesa,
la aurora,
tú, descúbrela,
descubridor de auroras.
Cómo es esto?
Cómo puedes negarte
al ciclo de la luz tú que mostraste
caminos a los ciegos?
Tú, dulce y férreo y viejo,
angosto y ancho padre
del horizonte, cómo
puedes cerrar la puerta
a los nuevos racimos
y al viento con estrellas del Oriente?

Proa de Europa, busca
en la corriente
las olas ancestrales,
la marítima barba
de Camoens.
Rompe
las telaranãs
que cubren tu fragrante arboladura,
y entonces
a nosotros los hijos de tus hijos,
aquellos para quienes
descubriste la arena
hasta entonces oscura
de la geografía deslumbrante,
muéstranos que tú puedes
atravesar de nuevo
el nuevo mar oscuro
y descubrir al hombre que ha nacido
en las islas más grandes de la tierra.
Navega, Portugal, la hora
llégó, levanta
tu estatura de proa
y entre las islas y los hombres vuelve
a ser camino.
En esta edad agrega
tu luz, vuelve a ser lámpara:
aprenderás de nuevo a ser estrella.

Pablo Neruda


«««o»»»

Porque em  alguns blogs, o endereço remete para posts antigos,
aqui lhes deixo o endereço da Meg...
Myself
http://os-meus-devaneios.blogspot.com/

Só espero que resulte... obrigada a todos
pela paciência!



18 comentários:

O Guardião disse...

Vim cá ter mas tenho que alterar o link. Não sou tão optimista como Neruda...
Cumps

Bipede Implume disse...

Querida Meg
Acho que a chave está nesta frase:"descubre el nuevo hombre" .
E isto não tem nada de sebastianismo. Tem a ver com a formação e com bons exemplos, como os antigos diziam.
Os exemplos de corrupção a que temos assistido é que nos levam a este pessimismo.
Tudo de bom, amiga.
Beijinhos
Isabel

mdsol disse...

[Vou registar o endereço.]

Muito boa escolha,

Beijinho

:)))

Mar Arável disse...

De facto o link remete para 6 meses antes

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Cá estou minha amiga, tarde mas com vontade e alegria em te visitar. Andei lendo o blog e ele é a Meg no seu melhor. Bem hajas, amiga! Continua!
bjs
Nami

myself disse...

Guardião

Não sei o que se passa com a actualização dos posts... que não funciona.
O Neruda sonha a esperança, segundo a minha leitura.
Se consegue ou não, isso é outra questão.

Um abraço

myself disse...

Isabel,

O pior é que bons exemplos é coisa que não temos actualmente.
Nem competência, e muito menos HONRA.

Beijinho para ti

myself disse...

Mdsol,

Espero que o teu funcione bem, porque já desisti de entender por que razão em alguns blogs aparecem posts de há meses.

Neruda, é um dos meus.

Um beijo

myself disse...

Mar Arável,

Atrevo-me a pedir-te que voltes e registar este endereço... pode ser que resulte.

Obrigada por mais uma confirmação.

Um abraço

myself disse...

Nami,

Tu vens sempre a tempo... eu sei como por vezes o tempo nos atraiçoa.
E muito obrigada pelas tuas palavras sobre o blog.

Espero que o teu link funcione.

Um abraço

A.S. disse...

Será que ainda poderemos alimentar a esperança quando caminhamos indiferentes para o patibulo?


Beijo, Meg!
AL

Naty e Carlos disse...

Se chovesse felicidade, eu lhe desejaria uma tempestade. Feliz Natal e um Prospero Ano Novo repleto de saude paz amor na companhia de todos os que vos são queridos.
São os nossos maiores desejos.
Bjs com carinho

Pata Negra disse...

Já conhecia mas nunca há Pablo demás. Já Portugal, é demais!
Vivam as mães para nos acolherem as lágrimas, hajam poetas para nos cantarem a desgraça, cantem cantores para choraramos os versos, existam homens para nos esconderem as armas, existam sócrates para nos levar o juízo e exista eu mesmo, myself, para chorar, cantar e me armar em chico esperto. Myself, não te deixo beijos nem abraços, deixo-te-me assim... AI!AI!AI! Que me dói a revolta!

myself disse...

Caro A.S.

Acho que já não estamos tão indiferentes assim... mas, como Neruda, tomemos este poema como um exercício de esperança.

Gostei muito de o receber aqui.

Um beijo

myself disse...

Naty e Carlos,

Muito obrigada pelo vosso carinho mais uma vez.
Tudo do melhor que a vida vos possa dar, são os meus votos sinceros.

Um beijo

myself disse...

Ai, Pata, Pata!
(isto agora lembrou-me a Miriam Makeba)

A revolta dói e muito, por isso vamo-nos embalando nas palavras de Neruda e outros (tão poucos) que puxam por nós!!!
E assim, dorida também, vou contigo num
abraço... graaaande!

São disse...

Eu estou a seguir-te ,como sabes, mas a actualização não aparece.

Quanto a Neruda, pois ...tenhamos esperança.

Um bom final de semana.

Maria disse...

Deslumbrante!
Vou levá-lo :)

Beijo, Meg.