10 de julho de 2009

Queixas de um Utente


Pago os meus impostos, separo o lixo, já. não vejo televisão há. cinco meses, todos os dias rezo pelo menos duas horas com um livro nos joelhos, nunca falho uma visita à família, utilizo sempre os transportes públicos, raramente me esqueço de deixar água fresca no prato do gato, tento ser correcto com os meus vizinhos e não cuspo na sombra dos outros. Já não me lembro se o médico me disse ser esta receita a indicada para salvar o mundo ou apenas ser feliz. Seja como for, não estou a ver resultado nenhum.
José Manuel Silva Ulisses já não mora aqui & etc
«««««o»»»»»
José Miguel Silva nasceu em Maio de 1969, em Vila Nova de Gaia. O seu primeiro livro, O Sino de Areia, foi publicado em 1999. Sobre o seu mais recente livro, Movimentos no Escuro, Pedro Mexia escreveu: « José Miguel Silva demonstra uma vez mais uma arte poética que se distancia de um espontaneísmo ingénuo e escolhe um trabalho poético intenso mas discreto. Não se vislumbra aqui nenhuma espécie de formalismo, apenas uma sensata sabedoria estrófica que desencadeia poemas construídos palavra a palavra, que evitam clichés e jogam no inesperado vocabular.» Outros livros de José Miguel silva são Ulisses Já Não Mora aqui (2002) e Vista Para um Pátio seguido de Desordem (2003).
«««««o»»»»»
.
UM BEIJO A TODOS... ESTOU SEM COMPUTADOR...
ATÉ BREVE!

15 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

Meg


Mesmo sem computador deixaste-nos mais um ilustre desconhecido.

Excelente esta passagem do "Ulisses já não mora aqui".
Só com um acrescento, o mundo actual(e este País não foge à regra antes pelo contrário),não está para pessoas que apostam no cumprimento das suas obrigações. O que interessa é ser-se esperto e passar com mestria pelos intervalos da chuva.
Abraço

Agulheta disse...

Querida amiga! E não é que tem razão?que coisa mais actual esta passagem do "Ulisses" hoje em dia só precisa ser esperto? O resto amiga passa de lado.
Beijinho bfs


Lisa

Amaral disse...

Meg
Adorei este poema. Muito bom mesmo.
Bom fim-de-semana
Abraço

Zé Povinho disse...

A máquina pode falhar mas a qualidade das escolhas é invariavelmente da melhor qualidade.
Abraço do Zé

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Se cada dia cai, dentro de cada noite,
há um poço
onde a claridade está presa.
há que sentar-se na beira
do poço da sombra
e pescar luz caída
com paciência.

Pablo Neruda

Desejo um belo domingo e uma linda semana.
Abraços

duarte disse...

mais rico...fico sempre mais rico, sempre que aqui passo.obrigado pela partilha.
quanto a receitas...tenha de ir aviar uma nova, que a outra está caduca!!!
abraço e cá te esperamos.

mdsol disse...

Até breve
:))

utopia das palavras disse...

Não me parece ser a receita totalmente certa para ser feliz, mas já é um bom caminho...!

Um texto com uma ironia saborosa!Gostei!

Beijo

O Puma disse...

Sempre actual

o poeta da tua memória

Pata Negra disse...

Ora aí está um poema daqueles que por não o pretenderem ser o são. Também eu faço isso tudo menos cuspir no chão.
Um abraço em busca de novas poesias

Carminda Pinho disse...

Um desabafo que com algumas excepções, muitos de nós poderíamos ter.

Espero que o problema esteja quase resolvido.:)))

Beijos

São disse...

O poema é maravilhoso.

Desejo que o computador se recomponha bem depressa.

Um abraço solidário, pois passei há pouco pelo mesmo.

Mariazita disse...

Olá, Meg
Tu sem computador e eu com a saúde assim tem-te que não caias :))) formamos um belo dueto.
Mas vai ficar tudo em forma, o que é opreciso é não entrar em stress...

Apesar dos tremeliques do computador fizeste uma escolha óptima.

As melhoras dele (PC) e do teu trabalho.

Um beijinho
Mariazita

Filoxera disse...

Há tantas acções das quais não vemos resultado..
Ou pior: vemos um resultado oposto ao que seria de esperar.
beijos.

Meg disse...

A TODOS,

O MEU BEM-HAJA

PELA VOSSA PRESENÇA AQUI.

O MEU CARINHO NUM ABRAÇO

Meg