3 de setembro de 2008

Amar dentro do Peito uma Donzela

Neste fim de férias, e atendendo ao sacrifício que representa o retomar das actividades de cada um, hoje deixo-vos um post mais leve,
com uma nota de humor, que espero seja do vosso agrado.
Deixo-vos com um soneto do Bocage
.
.
.
"Amar dentro do peito uma donzela", de Charters d'Azevedo
Amar dentro do peito uma donzela; Jurar-lhe pelos céus a fé mais pura; Falar-lhe, conseguindo alta ventura, Depois da meia-noite na janela: Fazê-la vir abaixo, e com cautela Sentir abrir a porta, que murmura; Entrar pé ante pé, e com ternura Apertá-la nos braços casta e bela: Beijar-lhe os vergonhosos, lindos olhos, E a boca, com prazer o mais jucundo, Apalpar-lhe de leve os dois pimpolhos: Vê-la rendida enfim a Amor fecundo; Ditoso levantar-lhe os brancos folhos; É este o maior gosto que há no mundo
.
. .
»»»»»o«««««
.
.
.

38 comentários:

Maria disse...

E deixas-nos muito bem com este belo soneto do Bocage... que era malandreco...

Beijo, Meg

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Meg,
Mas que mimo!!!
Nao se pode deixar de esbocar um sorriso malandreco... Obrigado e um beijinho.

Amaral disse...

Meg
Só podia ser um soneto de BOcage, lindo. Mas a ilustração é também muito bonita.
Abraço

Carla disse...

Amiga e que bem que soube esta leitura...
beijos

O Guardião disse...

Um poeta muitas vezes esquecido mas extremamente expressivo.
Cumps

zef disse...

Boa noite, Meg.
:)
Um abraço

Carminda Pinho disse...

Bocage era assim... e muito mais eheheh...

Beijos

Marco Ferreira disse...

São sempre excelentes estas obras de Bocage.

Bom fim de semana.

marinheiroaguadoce a navegar

Anónimo disse...

zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz.......................................zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz.......................................................................

Odele Souza disse...

Querda Meg,

Ando em falta com os blogs amigos, por absoluta falta de tempo.Hoje e amanhã tirei para visitar e comentar nos blogs que tenho nos meus preferidos. Seu blog é um destes.

Acho que já te disse que o novo layout de seu blog está mesmo muito bonito. E este poema, está lindo também.

Meg, gostaria de contar com sua adesão e participação na Blogagem Coletiva JUSTIÇA PARA FLAVIA, programada para o próximo dia 15.09. As instruções, estáo no início do post atual do blog de Flavia.

Deixo-te um forte abraço.

bettips disse...

Fizeste-me sorrir, o nosso Bocage que era tão certeiro e prazenteiro! Vir aqui é, de facto, perder-me na lusofonia mais ardente, toda ela.
Bjinho Meggy

De Amor e de Terra disse...

Olá bom dia, minha querida Meg.
Obrigada pelas visitas.
É Amiga, Bocage com seu enorme talento e ousadia, tinha a coragem de escrever aquilo que todos pensavam.

Bj. e bom regresso.

Maria Mamede

Luisa disse...

Bocage um grande poeta!

Papoila disse...

Querida Meg:
Regressada de férias visito os amigos.
Bela ilustração para este delicioso soneto de Bocage
Beijos

Agulheta disse...

Meg. Grande malandreco era Bocage,mas ainda bem fiquei a saber mais neste soneto.
Beijinho

Moacy Cirne disse...

Bocage sempre foi muito querido entre os poetas brasileiros, sobretudo a partir do modernismo. O pornodebochado Chico Doido de Caicó (1922-1991) o tinha entre os seus favoritos. Também o leio com inegável prazer, sem duplo sentido. Um beijo e um cheiro do Seridó.

MPS disse...

Cara Meg

Aqui é Bocage a fazer-nos sorrir. Outras vezes faz-nos cair na mais profunda melancolia. Prefiro o segundo, mas para tempo de férias, este foi muito bem escolhido.

Um abraço

Mar Arável disse...

Grande BARBOSA DU BOCAGE

Delfim peixoto disse...

Gostei.... e voltarei

Meg disse...

Maria
Para fugir de tanta notícia chata.
Beijos

Meg disse...

Caro Namibiano

De vez em quando também apetece um sorriso.
Um abraço

Meg disse...

Amigo Amaral

Ainda bem que gostou. Eu também acho a pintura muito adequada.
Um abraço

Meg disse...

É curioso como sendo tão popular, é tão pouco publicado. Foi mesmo um miminho.
Um abraço

Meg disse...

Carla

De momentos menos tensos andamos todos a precisar para descontrair.
Um abraço

Meg disse...

Querido Zef

Que enigmático! Ou maroto?
Um abraço

Meg disse...

Carminda

Foi só mesmo um cheirinho. Querias mais? Olha que eu trago-o de volta!
Um beijo

Meg disse...

Querido Marco

Bocage é sempre Bocage, às vezes nem sempre bem compreendido.
Uma boa semana para ti.
Um abraço

Meg disse...

Anónimo,
Não tenho a mínima simpatia por anónimos , muito menos por anónimas brincadeiras.
Se é amigo entenderá.

Meg disse...

Odele

Já há muito que tenho o selo da blogagem colectiva.
Irei informar-me melhor e conte comigo.
Um abraço amigo

Meg disse...

Querida Bettips,
De vez em quando é preciso desanuviar, especialmente se imponderáveis ausências se anunciam.Mas já voltei.
Mil beijos amigos

Meg disse...

Querida Maria Mamede

É o que faço com o Bocage. Ponho-o a dizer o que não sou capaz, mas me apetece.
Beijos

Meg disse...

Querida Papoila,

Vamos todos tentando retomar o ritmo normal. Por aqui ainda se baralham os dias e se superam ausências inesperadas. Mas voltei.
Um abraço

Meg disse...

Lisa,
Também precisamos de momentos para descontrair, não é? E que melhor que Bocage?
Um abraço

Meg disse...

Meu caro Moacy
Pois apesar de tudo, Bocage por aqui é pouco publicado, e por vezes mal entendido até.
Mas é sempre um largo sorriso.
Obrigada pelo carinho da visita.
Um cheiro... e um abraço

Meg disse...

Querida MPS
Foi para contrariar a maré que antecedia uma "daquelas" ausências que optei pelo brejeiro (não muito).
Um beijo grande

Meg disse...

Mar Arável,

Obrigada pela visita e pelas palavras.
Um abraço

Meg disse...

Delfim Peixoto
Obrigada e assim espero por mais uma visita.
Cumps

Meg disse...

Luisa,

É como dizes, um grande poeta.
É preciso lembrá-lo no entanto.
Um abraço