21 de junho de 2010

O SILÊNCIO DAS GENTES

José Pádua
.
.
Um silêncio e passos d’homens importantes
Ecoam chão de mosaicos
Poc, poc, poc…ecos
E fatos enfatados
E engravatados
D’homens importantes que as gentes!


Um microfone num discurso sábio
Regado de palavras sábias
O silêncio cúmplice dos dias
No silêncio do silêncio
Das gentes cansadas das oratórias
E discursos de hipocrisias!


Uma torrente de palavras rechonchudas
Um desfile de sapiência
Em gravatas abastadas
As minhas gentes caminham mudas
E desesperam paciência
Na dor do alvorecer de madrugadas!


Quem compra os espinhos das gentes
No suor da caminhada?
Passos d’homens arrogantes
Ecoam mosaico d’estrelas
Eu rezo as velas
Das gentes perfiladas nas estradas!


As minhas gentes suam injustiça dos dias
E dor das noites silenciadas
Magricelas
No palácio das estrelas
Gravatas abastadas
Festejam hipocrisia de palavras sábias!


A minha noite adormece entristecida
Na cobardia da gente emudecida!


Décio Bettencourt Mateus
In "Xé Candongueiro".


(Obrigada, querido amigo Décio!)
http://mulembeira.blogspot.com/



11 comentários:

Pata Negra disse...

Ai essas gentes, o meu combate é andar sempre longe delas! Dizem que assim não os venceremos! Mas quem disse que não serão vencidos no dia em que não houver ninguém para lhes bater palmas?!
Um abraço de quem nunca viu uma passadeira vermelha ao vivo

O Guardião disse...

Muito do que penso e digo está aqui maravilhosamente "pintado" em prosa. Termina assim: "A minha noite adormece entristecida
Na cobardia da gente emudecida!"
Acordai minha gente!
Cumps

Maria João disse...

Será cobardia ou cansaço, ou ambas as coisas!
Mas há tantas formas de quebrar o mutismo a que nos confinamos...

Que bom que é ter-te por aqui!


Um beijinho muito grande, Meg

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Hoje, com algum tempo vim fazer-te uma visita para deixar o registo. Boa escolha. Hoje postei Décio no Cores, tanbém e amanha vou deixar uma surpresa para ti no Cores e Palavras para ti.
Bjs
Kandandu
Nota final: Este blog continua EXCELENTE!!!

São disse...

Profundo e lúcido poema. Obrigada , linda, por mo dares a conhecer!

Fico felzi por regressares.

Um abraço bem grande.

São disse...

Te agradeço teres gostado da mudança de visual, mas quase foi por acaso: não entendo nada de computadores, sabes? rrss

Eis o meu e-mail:

saobanza@gmail.com

Um grande abraço, querida.

Mar Arável disse...

Que gente é esta

que respira o nosso ar?

Decio Bettencourt Mateus disse...

Meg: gostei da combinação poema v quadro de José Padua. Sempre um grande prazer ser postado em Recalcitrante. Na verdade sou eu quem muito agradece.

Kandandu.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Meg, aqui está a surpresa, segue o link
http://coresepalavras.blogspot.com/2010/06/blog-da-semana-112010.html

Bjs

Ana Tapadas disse...

Não conhecia e é bem concebido e com um valor semântico bem autêntico e verdadeiro.
Beijo

Zé Povinho disse...

A injustiça nunca será silenciada enquanto tiver espaço à minha disposição para me manifestar.
Abraço do Zé