2 de janeiro de 2009

Elogio da Dialéctica


.
.
Acabamos de entrar num novo ano, mas... apesar dos discursos,
convém que não nos esqueçamos
e que não deixemos de reflectir...
.
.



A injustiça avança hoje a passo firme
Os tiranos fazem planos para dez mil anos
O poder apregoa: as coisas continuarão a ser como são!
Nenhuma voz além da dos que mandam
E em todos os mercados proclama a exploração;
isto é apenas o meu começo
Mas entre os oprimidos muitos há que agora dizem
Aquilo que nós queremos nunca mais o alcançaremos
Quem ainda está vivo não diga: nunca!
O que é seguro não é seguro.
As coisas não continuarão a ser como são
Depois de falarem os dominantes
Falarão os dominados
Quem pois ousa dizer: nunca?
De quem depende que a opressão prossiga?
De nós.
De quem depende que ela acabe?
Também de nós.
O que é esmagado que se levante!
O que está perdido, lute!
O que sabe ao que se chegou, como pode calar-se?
E o nunca será: ainda hoje
Porque os vencidos de hoje são os vencedores de amanhã
[Bertold Brecht]



37 comentários:

Maria disse...

E que bom que é entrar em 2009 com um poema de Brecht...

Bom ano para ti, Meg.
Beijinho

duarte disse...

Brecht...sempre actual.
eu digo nunca e acrescento jamais
desistir não é opção.
abraço do vale para Meg,bom ano.

Agulheta disse...

Meg! Nada melhor para o novo ano o poema de Brecht,e tanto que ele nos diz.
Beijinho

anamarta disse...

Meg
É bom ler este poema de Brecht, para que não nos esqueçamos de dizer nunca! continuar a lutar e não desistir!
Bom ano para ti
Um abraço

romério rômulo disse...

meg:
a opressão continua.o texto do
brecht é atual.
um beijo.
romério

Luis Eme disse...

estas palavras nunca fizeram tanto sentido como hoje, Meg.

olhando para trás, pergunto, como foi possível ter-se perdido tanto do que foi conquistado?

abraço

Meg disse...

Maria,
Brecht para começar o ano sem distracções...

Beijinho

Meg disse...

duarte

Pode-se dizer... cada vez mais actual? Claro que pode.

Um abraço para o vale

Meg disse...

Lisa,
É preciso não nos esquecermos das palavras de Brecht...

Beijinho

Meg disse...

Anamarta,
É verdade...um poema para reflectir e não esquecer.

Um abraço

Meg disse...

Romério,
É como dizes... a opressão continua, daí a actualidade deste poema de Brecht.

Um beijo

Meg disse...

Luis Eme,

Muitas vezes me faço a mesma pergunta. Mas a realidade está aí... e no poema de Brecht.

Um abraço

Camolas disse...

Quem se deixa explorar é um potencial explorador.

Vieira Calado disse...

Desejo um

BOM ANO de 2009

para si.

Bjs

Delfim Peixoto disse...

Quando o Homem quiser, tudo o que anseias, nos versos desse que para mim é dos maiores escritores de sempre, isso acontecerá... eu posso tentar começar por mim... vamos a isso
bjs

Meg disse...

Camolas,
Benvindo a este espaço.
É uma opinião...
Desejo-lhe um Bom Ano Novo.

Meg disse...

Vieira Calado

Agradeço e espero que para si também 2009 seja um bom ano.

Um abraço

Meg disse...

Delfim Peixoto,

É isso mesmo... temos de começar por nós próprios.

Um abraço

Menina do Rio disse...

Meg,
para muitos, o ano só muda no calendário. Fogos, champagne, multidões. Porque no dia seguinte volta tudo ao que era. E ficamos nós à meia duzias gritando até perder a voz e quem se lembra de nós. Somo ainda um grito fraco no meio da memória esquecida dos politicos e das massas, restando-nos apenas acreditar que seremos ouvidos.

Um ano bom pra ti, querida

lupussignatus disse...

libelo

contra

a violência

da exploração


(e a desumanidade
latente)

jo disse...

Soladarizo-me com Brecht, mas mesmo assim desejo que não seja tudo assim tão mau. Um beijo e Bom Ano!

Meg disse...

Menina do Rio

Verónica, que a esperança de sermos ouvidos não se perca.
Um Bom Ano Novo

Um abraço

Meg disse...

Lupussignatus,

Desumanidade latente e cada vez mais intolerável.

Um abraço

Meg disse...

Jo,

Não podemos perder a esperança, a pouca que nos resta.

Um abraço

Zé Povinho disse...

Nunca me dei por vencido, apesar de já ter perdido algumas batalhas. Nada é seguro, e se sobrevivi até agora, foi porque sempre lutei pelo que acho justo e já nem sei viver de outro modo.
Abraço do Zé

Amaral disse...

Meg
Infelizmente ainda hoje continuamos a ser oprimidos e opressores. Os ricos e poderosos abusam do poder.
Boa semana
Abraço

Moacy Cirne disse...

Brecht - mais atual do que nunca. Um beijo, viu?!? O seu blogue - sempre necessário. Um cheiro, viu!?!

Bipede Implume disse...

Continua a ser uma dura realidade.
Resta-nos a esperança de que um dia seja diferente.
Beijinhos e boa semana.
Isabel

Meg disse...

Amigo Zé,

Todos temos de ir à luta se queremos sobreviver.

Um abraço

Meg disse...

Amigo Amaral,

Usam e abusam... e nós vamos deixando...

Um abraço

Meg disse...

Caro Moacy

Obrigada pelo carinho, viu?

Beijos e cheiros

meg

Meg disse...

Bipede Implume

Isabel, que a esperança não morra... que mais podemos desejar?

Beijinhos

São disse...

Sempre oportuno, sim!
E cada vez mais , necessitamos reflectir...e agir!

Se aceitares as minhas romãs , esperam-te lá em casa!

Feliz Dia de Reis, linda.

compulsão diária disse...

começamos bem o ano com esse poema de bracht. Nem todos dele eu gosto. deste sim.
Feliz lembrança.

Meg disse...

São,
Precisamos essencialmente de agir.
Já fui às româs, bem hajas!

Um abraço

Meg disse...

Compulsão Diária,

Benvinda a este espaço.
Se que gostou do poema, fico feliz.
Espero que volte. Irei retribuir a visita.

Um abraço

padeirinha disse...

Depois de cair, o levantar!