6 de novembro de 2008

Quando te vi ...

.
.
.
Tomando Chá, de Henrique Medina



Quando te vi senti um puro tremor de primavera

e a voluptuosa brancura de um perfume

No meu sangue vogavam levemente


anémonas estrelas barcarolas

O silêncio que te envolvia era um grande disco branco

e o teu rosto solar tinha a bondade de um barco

e a pureza do trigo e de suaves açucenas

Quando descobri o teu seio de luminosa lua

e vi o teu ventre largamente branco

senti que nunca tinha beijado a claridade da terra

nem acariciara jamais uma guitarra redonda

Quando toquei a trémula andorinha do teu sexo

a adolescência do mundo foi um relâmpago no meu corpo

E quando me deitei a teu lado foi como se todo o universo

se tornasse numa voluptuosa arca de veludo

Tão lentamente pura e suavemente sumptuosa

foi a tua entrega que eu renasci inteiro como um anjo do sol
.
.António Ramos Rosa,
in "O teu rosto", 1994
.
.
«««o»»»
.
.
.

50 comentários:

MPS disse...

Cara Meg

Tenho andado tão distante...

Mas agora , vindo aqui, fui brindada com um poema de um dos meus poetas de eleição, num hino à mulher, aos sentidos e à vida.

Apesar de não apreciar especialmente Henrique Medina, tenho que reconhecer que a pintura foi muito bem escolhida.

Um abraço

SILÊNCIO CULPADO disse...

MEG
António Ramos Rosa descreve, de forma deslumbrante, esse acordar dos sentidos, que é descoberta, que é intensidade e é totalidade.
Algo que só se consegue, de forma absoluta, quando se acredita e se tem sonhos, quando os olhos não olharam as formas desvirtuadas dos enganos.

Abraço

Agulheta disse...

Meg.Eu adoro este poeta,fala e escreve com grande sensibilade e com os sentidos a flor da pele,como este poema.Quanto a foto maravilhosa.
Beijinho

Meg disse...

Cara MPS,

Não anda distante quem está sempre presente na memória.
Estou consigo sobre Medina, mas a imagem tinha de ser "aquela".
Obrigada pelas suas palavras sobre o poema,

Um abraço amigo

Meg disse...

Silêncio Culpado,
Lídia, é isso mesmo... o acordar dos sentidos, descrito com uma sensibilidade de assinalar, por um poeta que amo.

Um abraço

Meg disse...

Lisa,
Pertences ao grupo dos incondicionais deste grande poeta.
Ainda bem que gostaste da imagem, tenho estado com dúvidas, é de um pintor que raramente utilizo.

Um abraço

lupussignatus disse...

seara

fulgurante

Sei que existes disse...

O amor é fantástico!
Beijo grande

duarte disse...

olhos com alma,alma nas mãos
de quem por amor ama
sente vivendo cada palmo
de pele e de luz terna
a ternura da caricia
o tormento do prazer
assim sente o ser.

Maria disse...

Adoro António Ramos Rosa.
Obrigada, Meg.

Beijinhos
(a imagem é indíssima!)

osátiro disse...

No meu sangue vogavam anémonas estrelas...

Carminda Pinho disse...

A mulher é uma previlegiada, na voz dos poetas...
Gostei tanto...

Beijos

PS: desculpa nunca falar nas imagens, mas sabes que gosto de todas...
Tens uma capacidade invulgar, para "casar" poema e imagem.

Mariazita disse...

Adoro a poesia de António Ramos Rosa.
Tem poemas belíssimos. Este é um bom exemplo.

E este:
"Este homem que pensou
com uma pedra na mão
tranformá-la num pão
tranformá-la num beijo"... ?

A tela é lindíssima.
Duas escolhas de muito bom gosto.

Bom fim de semana, amiga.
Beijinhos
Mariazita

Moacy Cirne disse...

Oi,
sensibilidade
que faz do
erotismo
uma parta aberta
para a
"luminosa lua"
esplendoROSA
no corpo da mulher.
Beijos
Cheiros
Queijos.

Moacy Cirne disse...

pArta aberta?
Quis dizer apenas
pOrta aberta...
Beijos.
E rapaduras.

Meg disse...

Lupussignatus

Obrigada pelo comentário, mas... searas?

Um abraço

Meg disse...

Sei que existes,

Se gostaste fico feliz. E o amor é isso mesmo.

Um abraço

Meg disse...

Duarte,
Obrigada pelo poema comentário. Pena não ter blog para lhe poder retribuir a visita. Apareça sempre.
Um abraço

Meg disse...

Maria,
Como já deves ter reparado é também um dos meus poetas de eleição. Fico feliz por teres gostado do Medina.

Um abraço

Meg disse...

Osátiro.
Benvindo a este espaço.
Obrigada pelo comentário.
Um abraço

Meg disse...

Carminda,
Ramos Rosa tem esse condão de nos fazer especiais.
Não te preocupes com as imagens... eu sei que olhas.


Um abraço

Meg disse...

Mariazita,
Também eu sou uma apreciadora de Ramos Rosa.
Obrigada pelo teu contributo ao post - o teu poema, pequeno mas belo.

Um abraço

Meg disse...

Caro Moacy,

Mas grande sensibilidade mesmo, Ramos Rosa dá-nos, neste poema, a mulher em todo o seu esplendor.

Beijos, queijos e cheiros!

Meg disse...

Caro Moacy,
ahahah... pOrta e não pArta, já tinha entendido a gralha, não precisava se preocupar.
Beijos

Paradoxos disse...

palavras de ler baixinho para nenhuma se perder na boca!!

encanto!!


teu beijão

querida amiga Meg

O Guardião disse...

O amor bem "cantado" e aqui bem ilustrado. Ramos Rosa sabia usar as palavras com a delicadeza requerida pelo tema.
Cumps

Meg disse...

Paradoxos
Eduardo, gostei da tua visita e da forma como entendeste o poema.
Obrigada.

Um abraço

Meg disse...

Caro Guardião,
Delicadeza e sensibilidade são apanágios da linguagem poétiva de Ramos Rosa.
Ainda bem que gostaste!

Um abraço

romério rômulo disse...

meg:
gostei do poema e da tela.um abraço aos amigos daqui.
um beijo.
romério

Meg disse...

Romério,
Como você é tão discreto eu me encarrego de transmitir suas mensagens aos nossos amigos.
Um beijo para você.


DESTAQUE PARA OS AMIGOS

romério rômulo disse...

meg:
[...]
um abraço aos amigos daqui.
um beijo.

romério

Bipede Implume disse...

Um tema que tratado desta maneira se torna transcendente.
O quadro integra-se bem no poema.
Muita beleza e sensibilidade.
Grande abraço e bom fim de semana.

Verónica disse...

Que posso dizer?
É tudo tão lindo! O poema de Ramos Rosa, a foto e a música!
Que magnífica combinação!
Parabéns pelo blogue!
Valeu a pena!

Savonarola disse...

Um belíssimo poema. Frágil, como a devoção amorosa.

Um abraço anarquista e Amigo

Meg disse...

Isabel,
Mais uma vez obrigada pelas tuas paçavras de incentivo.
Um grande abraço

Meg disse...

Verónica,
Julgo que é a primeira vez que nos faz uma visita.Seja benvinda.
Agradeço as palavras simpáticas e
espero voltar a recebê-la aqui.
Retribuirei a visita logo que possível.
Um abraço

Meg disse...

Savonarola,
Jorge, já tinha saudades tuas como sabes. Obrigada pelo carinho das palavras.

Um abraço pró-AN

TINTA PERMANENTE disse...

Conhecia a pintura, mas não o poema!...
Bonita combinação, de facto!...

abraços!

São disse...

O quadro é Medina e tudo se diz.
Ramos Rosa não é dos meus preferidos.
Bom domingo.

Meg disse...

Tinta Permanente,
Ainda bem que gostou, apesar de não conhecer o poema. Obrigada pelas suas palavras.
Um abraço

Meg disse...

São,
Claro que de Medina não é preciso dizer nada. a sua pintura fala por si.
Quanto ao Ramos Rosa, claro que nem toda a gente gosta dos mesmos poetas... agradeço-lhe a frontalidade, é de amiga, assim o sinto.
Uma boa semana ara si e um abraço

Luisa disse...

Meg, muito obrigada pelo comentário deixado pela morte da minha Mãe. Voltarei aqui com mais sossego.

Agulheta disse...

Meg. O meu carinho,pela visita e pela partilha do poeta,que gosto obrigada.
Beijinho

Maria Clarinda disse...

Lindo este poema que escolheste de um poeta que admiro bastante António Ramos Rosa.
Jinhos muitos

Amaral disse...

Meg
Belíssimo este poema. Poçémico q.b. como o seu autor.
Boa semana
Abraço

Meg disse...

Luisa,
Não tens o que agradecer, estas são horas de muita solidariedade.
Um abraço

Meg disse...

Lisa,
Sempre que o vosso gostar é assim sincero, fico muito feliz.

Um abraço

Meg disse...

Maria Clarinda,
Como é bom sentir que chegamos ao coração de alguém! Obrigada.

Um abraço

Meg disse...

Caro Amaral,
A polémica por vezes também dá cor à poesia...e é o que acontece com o Ramos Rosa.

Um abraço

Pata Negra disse...

Vou fazer um poema:
António
Ramos
Rosa
Rosa
Ramos
António
Porque a poesia é a arte dos Antónios quando os versos são ramos e as rosas palavras para que vos quero vou-me embora com ramos de abraços e rosas de beijos eu quase antónio ah meg que quase sou poeta

Meg disse...

Meu caro Pata Negra,

E não é que és mesmo poeta! Versejando ou não, a tua alma é mesmo a de um poeta!
Amo os teus comentários cheios de humor e ... poesia.

Um grande abraço